Quebra de isolamento social pode vir a ser passível de multa no Rio de Janeiro
Marcelo Casal Jr/Agencia Brasil
Quebra de isolamento social pode vir a ser passível de multa no Rio de Janeiro

O secretário estadual de saúde do Rio, Edmar Santos, disse nesta quarta-feira, durante entrevista ao "RJTV", que está preocupado com a quebra da quarentena em pontos da capital e da Região Metropolitana. Na Rocinha, na Zona Sul, que já registrou cinco mortes por coronavírus, por exemplo, comércio segue aberto e os moradores andam pelas ruas normalmente. De acordo com Edmar, medidas estão sendo estudadas para restringir a circulação de pessoas - o pagamento de multa , como acontece em alguns países, não está descartado.

Leia mais: Ex-sogra de Flordelis, mãe do pastor Anderson do Carmo morre de diabetes

"Apesar das medidas, tem sido um atentado o que temos visto. Em relação à Região Metropolitana e à capital, estou muito preocupado. O governo está debruçado nas medidas que são cabíveis do ponto de vista legal. A Alerj está estudando também a possibilidade de algum dispositivo que venha a dar suporte, Entre elas, o pagamento de multa ", disse o secretário.

Edmar destacou que se o número de casos aumentar, haverá um desequilíbrio na oferta de leitos. Ele disse que o Estado tem, hoje, 63% de ocupação de leitos de CTI: "Precisamos adequar a evolução da pandemia à evolução do número de leitos".

Você viu?

De acordo com o secretário, ainda não há um mapeamento completo da população por causa da falta de testes, mas é possível notar um aumento dos casos em comunidades carentes - o número pode se tornar maior quando ficarem prontos os exames das 78 mortes suspeitas que ocorreram no Estado.

"A doença chegou pelos mais afortunados, que voltavam de viagem. Hoje percebemos que aumentou de 7% para 21% a representação nos hospitais públicos - destacou ele, adiantando que mortes e casos confirmados que ocorrem nas comunidades são acompanhados pela Secretaria de Saúde".

Leia também: Morador da Rocinha diz que o novo coronavírus "tira a dignidade"

Em relação a profissionais da área de saúde que estão afastados por terem o novo coronavírus , o secretário disse que atualmente são 2,2% do quadro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários