Luciano Hang, dono das lojas Havan
Divulgação
Luciano Hang, dono das lojas Havan

O uso da Polícia Militar foi recomendado pelo Ministério Público de Santa Catarina para o fechamento e interdição de lojas da rede Havan , do empresário Luciano Hang. Os pontos comerciais continuam funcionando após o decreto do governador Carlos Moisés (PSL) que permitia apenas estabelecimentos considerados como essenciais, como farmácias, supermercados e postos de combustíveis de funcionar. O decreto foi emitido na última terça-feira (17). 

Leia mais: Bolsonaro diz que pode ter sido infectado pelo coronavírus e não soube

O promotor Daniel Paladino, do Centro de Apoio ao Consumidor, informou por meio do pedido que as unidades da rede estariam abertas ao público para "serviços de pagamento", o que viola o decreto estadual.

Funcionários uniformizados foram vistos no local por agentes da Guarda Municipal de São José, na Grande Florianópolis. Ninguém foi levado para delegacia apesar do descumprimento da lei. 

Você viu?

A unidade fechou as portas após o flagrante e a polícia militar informou que está ciente da recomendação do Ministério Público , de acordo com o portal Terra.

Leia também: Prevent Senior tem hospital lotado e falta de funcionários, diz fiscalização

Desde a formalização do decreto a Polícia Militar de Santa Catarina realizou 4.325 intervenções e notificou 285 estabelecimentos. Apenas 29 foram interditados e 53 receberam termos circunstanciados.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários