Luciano Hang
Divulgação
Luciano Hang, dono das lojas Havan

O uso da Polícia Militar foi recomendado pelo Ministério Público de Santa Catarina para o fechamento e interdição de lojas da rede Havan , do empresário Luciano Hang. Os pontos comerciais continuam funcionando após o decreto do governador Carlos Moisés (PSL) que permitia apenas estabelecimentos considerados como essenciais, como farmácias, supermercados e postos de combustíveis de funcionar. O decreto foi emitido na última terça-feira (17). 

Leia mais: Bolsonaro diz que pode ter sido infectado pelo coronavírus e não soube

O promotor Daniel Paladino, do Centro de Apoio ao Consumidor, informou por meio do pedido que as unidades da rede estariam abertas ao público para "serviços de pagamento", o que viola o decreto estadual.

Funcionários uniformizados foram vistos no local por agentes da Guarda Municipal de São José, na Grande Florianópolis. Ninguém foi levado para delegacia apesar do descumprimento da lei. 

A unidade fechou as portas após o flagrante e a polícia militar informou que está ciente da recomendação do Ministério Público , de acordo com o portal Terra.

Leia também: Prevent Senior tem hospital lotado e falta de funcionários, diz fiscalização

Desde a formalização do decreto a Polícia Militar de Santa Catarina realizou 4.325 intervenções e notificou 285 estabelecimentos. Apenas 29 foram interditados e 53 receberam termos circunstanciados.


    Veja Também

      Mostrar mais