pm rio de janeiro
Reprodução / Polícia Militar do Rio de Janeiro
Site foi hackeado e até o início da tarde desta segunda-feira (9) não voltou ao ar.

Invadido na tarde deste domingo, o site da Polícia Militar do Rio permanece fora do ar, na manhã desta segunda-feira. Ao acessar o endereço da corporação (https://pmerj.rj.gov.br/) a mensagem que aparece é a de que "é impossível acessar esse site". A corporação informou que tirou a página do ar após ela ser clonada.

Leia também: Boulos anuncia pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo com Erundina de vice

Neste domingo, até por volta das 18h, a página mostrava, a imagem do coronel da reserva e ex-comandante da coporação Ibis Silva Pereira, sob a legenda "Como entrar na favela da maré (sic) sem levar tiro". O grupo responsável pela invasão se identificou como Kill index, composto pelos usuários R3CRUT4 e R4TIN.

Em nota enviada neste domingo, a PM negou o hackeamento da página e alegou que houve uma clonagem . Nesta segunda, a corporação informou que "o site está passando por reparos técnicos e, em breve, voltará a funcionar".

Invasão após polêmica

A invasão do site acontece quatro dias depois de o soldado da PM e youtuber Gabriel Monteiro ter o porte de arma suspenso e ser submetido a um processo administrativo disciplinar que pode culminar em sua expulsão. O soldado é acusado de ter cometido uma "transgressçao disciplinar de natureza grave", de acordo com a Corregedoria da PM, ao tratar Ibis Pereira "de forma desrespeitosa".

Com quatro milhões de seguidores, o soldado foi alvo de uma investigação interna, depois de gravar vídeos com o coronel, sem sua autorização, e postá-los em seu canal. Em um deles, Pinheiro, atualmente lotado como assessor parlamentar do gabinete da deputada Renata Souza (PSOL), é questionado por entrar no Complexo da Maré sem ser alvejado por traficantes:

"Ninguém entende como o senhor entra no coração do Comando Vermelho e não é morto, sendo policial militar (...) A rua onde o senhor ia é uma boca de fumo, coronel (...) O senhor é do PSOL, não é? (...) Existe alguma ligação entre o PSOL e a criminalidade da Maré?”, diz Monteiro.

Desde a suspensão do soldado, determinada pela sindicância, o policial cedido ao deputado estadual Filippe Poubel (PSL) recebeu o apoio de diversos parlamentares, incluindo Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Em declaração ao EXTRA, Ibis Pereira classificou a atitude do PM como uma transgressão "para fins de projeção pessoal" e o criticou por fazer uma acusação grave sem ter provas.

Leia também: Cadastro para novo modelo de concessão de bolsas de estudo é adiado pela Capes

"Questões internas das corporações militares não devem ser comentadas publicamente por seus agentes. De qualquer maneira, um policial que acusa o outro sem fundamento e materialidade joga contra a memória e honra da corporação. Trata-se de uma ação leviana, descomprometida com o bem da instituição, em busca de holofotes em um ano eleitoral", afirmou.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários