Élcio Queiroz
Reprodução/Facebook
Ex-OM, Élcio teria interfonado para Bolsonaro no dia da morte de Marielle

O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz continuará preso indefinidamente por porte ilegal de armas, segundo decisão da Justiça do Rio de Janeiro. Ele também é acusado de envolvimento nos assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. 

O juiz André Felipe Veras, da 32ª Vara Criminal do Rio de Janeiro deve permanecer preso preventivamente. Entre os motivos para sua decisão, o magistrado citou o “resguardo da ordem pública”. 

Leia também: Justiça bloqueia bens de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz e quebra sigilo bancário

Veras considerou ainda que Élcio tentou fugir. "Há indícios de que o acusado estaria em situação de fuga , o que denota a possibilidade, no caso de eventual condenação, de se furtar à aplicação da lei penal. Assim sendo, mantenho a prisão preventiva do acusado", disse o juiz na sentença.

Élcio de Queiroz foi preso em março de 2019 por suspeita de participação nas mortes de Marielle e Anderson. Até hoje, ele e Ronnie Lessa são os únicos suspeitos presos pelo crime e ainda não foram julgados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários