Bombas de gás raspada
Reprodução/Equipe Monica Seixas
Bombas de gás utilizadas pela PM em protesto na Alesp tiveram sua data de validade raspada, afirma deputada

A deputada estadual Monica Seixas (PSOL) afirmou que bombas de gás utilizadas pela Polícia Militar durante um protesto na capital paulista nesta terça-feira (3) tiveram suas datas de fabricação e de validade riscadas. O caso aconteceu em uma manifestação contra a reforma da previdência na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

Leia também: “Achei que fosse uma boneca”, diz PM que resgatou bebê no bueiro

A equipe da deputada, que participa da Bancada Ativista, recolheu mais de 40 bombas de gás e 100 balas de borracha. Seixas relata que aparentemente estaria escrito setembro de 2015 nos rótulos das bombas.

A Tropa de Choque da PM reprimiu com as bombas de gás e os tiros e borracha alguns manifestantes que amarraram barricadas na frente da Alesp . Também agiram com truculência, segundo relatos, manifestantes que tentaram permanecer em uma rampa da assembleia, para acompanhar a votação. Uma linha de policiais fechou a principal entrada do prédio. 



    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários