Carros da polícia do Ceará com os pneus furados
João Dijorge / Photopress / Agência O Globo
Carros da polícia durante motim no Ceará

O procurador-geral de Justiça do Ceará , Manuela Pinheiro, disse nesta segunda-feira (2) que os casos mais graves de policiais que se amotinaram no estado poderão ser punidos com a expulsão da corporação. A paralisação que durava 13 dias terminou na noite deste domingo (1º) após um acordo fechado entre representantes dos três poderes do Ceará e os agentes.

"O objetivo é garantir a legalidade. Por parte dos amotinados, havia o receio de que houvesse vingança, revanche, e nada disso pode acontecer. Os processos mais graves serão punidos com expulsão e os demais, com as punições proporcionais", afirmou Pinheiro ao jornal O Estado de São Paulo . "O acordo tratou de retomar o caminho da institucionalidade", completou.

De acordo com Pinheiro, também será formada uma comissão especial para acompanhar o julgamento dos militares e os processos administrativos que serão instaurados contra eles. Farão parte desse grupo integrantes da promotoria estadual, do Ministério Público Federal (MPF), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Defensoria Pública.

Leia também: Moro e Ciro discutem nas redes sobre fim do motim dos policiais no Ceará

"A ideia é que a comissão externa possa ser acionada para avaliar todas as reclamações sobre possíveis excessos na apuração das responsabilidades", disse o procurador-geral.

Diante da crise na segurança no estado causada pelo motim dos policiais, a Força Nacional e as Forças Armadas foram enviadas por meio de um decreto de Lei da Garantia e da Ordem (GLO). Inicialmente o apoio duraria sete dias, mas acabou sendo prorrogado por mais uma semana antes do motim acabar.

    Veja Também

      Mostrar mais