fachada de estação de tratamento
Cedae / Reprodução
Cedae

A identificação de detergente fez com que as comportas da entrada do canal principal que chega à Estação de Tratamento de Água (ETA) do Guandu fossem fechadas ontem. Segundo a Cedae, a substância foi detectada, em um manancial, após análise laboratorial. O material teria sido arrastado pelas fortes chuvas que atingiram a Região Metropolitana na noite de domingo. Até a noite de ontem não havia previsão para retomar a captação.

Ainda segundo a Cedae, a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro e o Instituto Estadual do Ambiente já foram informados e acompanham o caso.

Água mineral nas escolas

A volta às aulas preocupa os pais de alunos. Como a água fornecida pela Cedae ainda está com gosto e odor terrosos, manter os pequenos hidratados sem risco à saúde virou uma preocupação. Na rede municipal do Rio, que conta com 626.778 alunos matriculados em 1.540 escolas, a prefeitura vai fornecer 500 ml de água por aluno ? as aulas começam amanhã.

Leia também: Rio: Cedae pode compensar água contaminada com desconto na conta, diz Defensoria

Apesar da oferta de água mineral, o limite diário já gera polêmica. Segundo o presidente da Comissão de Educação da Câmara de Vereadores do Rio, vereador Célio Lupparelli (DEM), a oferta será de meio litro de água para cada aluno por dia. Ele conta que, após tomar conhecimento do fato, enviou um requerimento ao Executivo pedindo informações sobre como a prefeitura calculou a quantidade da água fornecida. "Sabemos que meio litro pode não ser o recomendável. Pode ser um risco para as crianças", acredita.

Procurada, a Secretaria Municipal de Educação não negou que vá trabalhar com o limite de meio litro por aluno. Mas informou que as cisternas das escolas passam por limpeza e que os alunos sempre consomem água filtrada.

    Veja Também

      Mostrar mais