Muzema
Reprodução
Prédio que será demolido tem até shopping construído por criminosos

Passado mais de um ano desde que o Ministério Público recomendou a demolição de um grande prédio com shopping e cerca de 150 apartamentos na Muzema, na Zona Oeste da cidade, a Justiça determinou a demolição do imóvel, um dos principais empreendimentos construídos pela milícia que atua na favela e na comunidade de Rio das Pedras. As informações são do jornal O Dia .

Leia também: Encantador de serpentes morre após ser atacado por cobra; assista

A decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública determina a desocupação "inicialmente voluntária" em 30 dias, a contar do último dia 21. Mas caso haja decurso do prazo a desocupação deverá ser forçada. Os moradores e comerciantes começaram a ser notificados na quinta, dia 30.

A imponência do empreendimento, localizado na Estrada de Jacarepaguá 520, chama a atenção de quem passa pela via. Na parte de baixo, o Muzema Shopping, que começou a ser erguido em 2017, conta com diversas lojas. Entre elas, de roupas, serviços de estética, uma casa lotérica e até uma filial da Domino's Pizza (maior rede de pizzaria delivery do mundo). No andar de cima, estão os apartamentos.

O empreendimento, segundo o MP, foi construído em Área de Proteção Ambiental e, de acordo com moradores, é comum ter deslizamento de terra e pedras naquela encosta, em dias de chuva. Enquanto a fachada do prédio, de vidro temperado, fascina, os fundos escondem a precariedade. Tudo erguido sob ordens da milícia. "Os prédios não só foram construídos de forma irregular, como não são passíveis de regularização, segundo a legislação vigente e laudos da própria prefeitura", explica o promotor Plínio Araújo, do Grupo de Atuação em Meio Ambiente.

Leia também: Universidade lança site que monitora o coronavírus; acompanhe em tempo real

Ainda de acordo com ele, os responsáveis pela construção e venda de salas e apartamentos do edifício foram presos em julho do ano passado, durante a Operação Muzema. Mas conseguiram liberdade em seguida. Entre eles estão Bruno Pupe Cancella e Leonardo Igrejas Esteves Borges. "Alguns foram presos novamente, na operação do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado, na quinta-feira", acrescentou.

    Veja Também

      Mostrar mais