local alagado arrow-options
Porciúncula / Ascom
Emergência foi decretada na cidade

O município de Porciúncula , no Noroeste fluminense, decretou, na noite deste domingo, situação de emergência por conta das fortes chuvas. Segundo a prefeitura, 85% da cidade chegou a ficar submersa e não há água potável para a população, já que a Cedae interrompeu o fornecimento após o transbordamento do Rio Carangola . A morte de um morador foi confirmada no Centro por conta das enchentes. As informações são do jornal O Dia.

O decreto 2.000/2020, que instituiu a situação de emergência, em nível 2, dando detalhes do desastre, conforme previsto na Instrução Normativa 02/2016 do Ministério da Integração Nacional. As chuvas que alagam a cidade começaram no dia 21 e as cheias aumentaram a partir da tarde do dia 24, com o transbordamento do Rio Carangola.

Segundo números da prefeitura, alagaram ruas dos bairros Centro, Operário, Ilha, João Braz, Nova Caeté, Nossa Senhora da Penha, Barra, Olívia Peres, atingindo aproximadamente 4,5 mil pessoas.

Leia também: Casa de dois andares cai durante chuvas em Minas Gerais; veja vídeo

O governador do Rio, Wilson Witzel, esteve em Porciúncula neste domingo para ver os estragos causados pelas chuvas e anunciou a descentralização de R$ 23 milhões para ajudar cidades do Norte e Noroeste fluminense atingidas pela chuva.

O rio Carangola chegou ao ápice na madrugada de sábado, chegando a medir 8,22 metros. O nível de transbordo é de 5,20m. A Cedae cortou o abastecimento de água , deixando a situação mais complicada. A partir da manhã de domingo, a água começou a baixar lentamente, e até a última medição, às 19h30, o nível do rio estava em 6,38m.

Uma casa antiga, construída em 1925, foi derrubada pela equipe municipal de Defesa Civil após a solicitação de uma moradora do Centro da cidade. Segundo a solicitação, a casa estava parcialmente destruída e oferecia risco de desabamento sobre o poste, que cairia na casa da moradora.

Abrigos recebem desabrigados 


A Secretaria de Promoção Social montou três abrigos para receber desabrigados por conta das enchentes: nas escolas José de Lannes (CIEP), Orlinda Veiga e no Centro de Comercialização do Parque de Exposições. Os abrigados pela prefeitura estão recebendo alimentação e todo o suporte. Na noite de sábado foram distribuídos colchões, cobertores, travesseiros e lençóis.

Leia também: Chuvas causam inundações e deixam seis mil desabrigados no interior do Rio

No Centro Cultural Dr. Edésio Barbosa da Silva foi montado um ponto de entrega e organização de doações . A população atingida pela enchente está precisando de água para consumo e para uso doméstico, além de roupas e alimentos.

"Muita gente não acreditou nos alertas que foram dados na quinta-feira e preferiram ficar em casa. Com o aumento do nível, muita gente perdeu tudo. Estamos diante da maior enchente da história de Porciúncula", concluiu Gilmar Gonçalves, secretário municipal de Defesa Civil.

Todos os funcionários da Prefeitura Municipal e voluntários estão mobilizados para oferecer assistência e apoio à população porciunculense.

    Veja Também

      Mostrar mais