Segundo informações, presos fizeram buraco na parede e fugiram usando corda de lençóis
Elenilson Oliveira/Governo Acre
Segundo informações, presos fizeram buraco na parede e fugiram usando corda de lençóis

Pelo menos 27 presos fugiram da unidade penitenciária Francisco d’Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco, no Acre, na madrugada desta segunda-feira. De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública do Acre, os detentos fizeram um buraco na parede da cela e escaparam pelo muro com cordas formadas por lençóis.

Leia também: Cliente de chefe da Secom vira 'número 1' em verbas publicitárias da pasta

Após a fuga dos detentos, a Polícia Penal foi acionada para fazer a contagem dos presos que fazem parte do pavilhão L, de onde os presos fugiram. A secretaria determinou que todos os presídios do estado sejam revistados para evitar novas fugas.

Os presos que escaparam do presídio no Acre são da mesma facção criminosa dos criminosos que fugiram na noite de domingo de uma prisão na cidade de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, na divisa com Ponta Porã (MS). Segundo o governo paraguaio, os fugitivos são integrantes da maior facção criminosa que atua em presídios de São Paulo e ao menos 40 deles têm origem brasileira. O Ministério da Justiça e Segurança Pública trabalha com uma lista com 75 nomes dos fugitivos: 40 deles são brasileiros e 35 paraguaios.

Você viu?

Por causa da fuga em Rio Branco, a secretaria de Segurança do Acre informou ainda que reforçou as barreiras policiais na capital e municípios com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Exército, nas barreiras em rodovias federais. O órgão acionou as secretarias de Segurança de Rondônia e do Amazonas para implantar barreiras e fiscalização nas áreas de fronteira com o Acre e nas rodovias federais.

A Polícia Federal dará apoio com equipes de inteligência para avaliar as circunstâncias de fuga, bem como o apoio de fiscalizações em aeroportos.

Leia também: Homem é encontrado carbonizado em agência bancária no centro de São Paulo

O Ministério Público Federal e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) também foram contatadas para acompanhar as ações de investigação durante as ações que para apurar eventuais responsabilidades pela fuga dos presos .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários