pessoas roubando arrow-options
Polícia Civil / Divulgação
Quadrilha roubou ouro de dentro de aeroporto

A Polícia Civil de São Paulo prendeu na noite de sexta-feira mais um suspeito de ter participado do roubo de 718 quilos de ouro no Aeroporto Internacional de Cumbica , em Guarulhos (SP), no ano passado. André Cesário Gomes, de 40 anos, foi preso em uma pastelaria na cidade de Itanhaém, litoral sul do estado. As informações são da TV Globo.

Ele é o segundo suspeito da quadrilha detido. No último dia 11, foi preso Francisco Teotônio da Silva Pasqualini, mais conhecido como "Véio", apontado como mentor do crime. O assalto contou com carros clonados da Polícia Federal e da Aeronáutica para ter acesso ao hangar da transportadora de valores. Na fuga, a quadrilha utilizou uma ambulância.

Leia também: Relembre os roubos milionários em aeroportos que aconteceram em 2019

Gomes teve a prisão temporária decretada por 30 dias. Os policiais chegaram até ele após troca de informações com a polícia de Santa Catarina, que também monitorava o criminoso por um assalto ocorrido em março passado no aeroporto em Blumenau. Ele foi flagrado por câmeras de segurança de um mercado em Itanhaém e estava vivendo em um condomínio residencial na cidade.

No dia 13 de agosto do ano passado, o Tribunal de Justiça de São Paulo aceitou denúncia contra os suspeitos identificados durante a investigação. A quadrilha responde por roubo qualificado, por organização criminosa armada e adulteração de sinal identificador de veículos automotores.

Além dos 718 quilos de ouro, os ladrões também roubaram 15 quilos de esmeraldas, relógios e correntes da marca Louis Vitton e outros 51 quilos de ouro de outra transportadora. O assalto ocorreu em apenas dois minutos e meio e sem o disparo de um tiro sequer. A polícia investiga se o ouro foi contrabandeado para a China.

Leia também: Aeroporto de Guarulhos tem "cachoeira" em terminal após fortes chuvas; assista

A facilidade com que os criminosos invadiram o aeroporto, entrando inclusive em áreas restritas, levou à discussão para adoção de regras mais rígidas de segurança, tanto por parte da Polícia Federal quanto pela operadora do aeroporto, a GRU Airport. Uma resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que entrou em vigor em novembro passado, estabeleceu controle mais efetivo, com biometria de agentes públicos em áreas restritas, como a do raio-x. Mas não houve adoção de novas medidas para o setor de cargas.

    Veja Também

      Mostrar mais