Tamanho do texto

Programa prevê uma complementação mensal ao Bolsa Família no Rio

familia arrow-options
Domingos Peixoto / Agência O Globo
Mais de 43 mil famílias cadastradas no Cartão Família Carioca não receberam benefício

Mais de 43 mil famílias cadastradas no Cartão Família Carioca — programa municipal que prevê uma complementação mensal aos beneficiários do Bolsa Família com renda mais baixa na cidade do Rio — não recebem o benefício há três meses. Os beneficiários afirmam que, nos meses de novembro e dezembro do ano passado, além de janeiro deste ano, o dinheiro não foi pago.

Leia também: Motorista embriagado atropela crianças que brincavam em calçada; veja vídeo

O Cartão Família Carioca foi criado em dezembro de 2010 e paga, por inscrição no Bolsa Família, de R$ 20 a R$ 400 — o valor varia conforme o número de crianças e se há pessoa com deficiência ou idosos no núcleo familiar. O custo mensal aos cofres municipais é de R$ 4,7 milhões.

O valor pago pela Prefeitura do Rio também leva em consideração a renda da família beneficiada. Os beneficiários contam que, quando entram em contato com o governo, recebem a resposta de que não há uma previsão para o pagamento.

Desempregada há um ano e meio, a doméstica Maria Angélica Ferreira, de 40 anos, relata que, assim como ela, outras mães estão em dificuldades pra comprar material escolar e mesmo alimentos para os filhos. Ela só tem recebido os R$ 153 de benefício do Bolsa Família e cria cinco crianças.

"As pessoas estão sendo despejadas de casa porque não têm dinheiro para pagar aluguel. As mães precisam comprar material escolar para os filhos estudarem e comida, mas não têm dinheiro", afirmou Angélica.

Questionada sobre o atraso sobre o depósito para as famílias atendidas pelo programa social, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos informou que "o pagamento do Cartão Família Carioca, referente aos meses em atraso, já está em processo para liberação". Embora tenha enviado a mesma resposta no mês passado, assegurando que trabalha para regularizar a situação, a secretaria acrescentou que o pagamento será efetuado "tão logo seja reaberto o orçamento".