Réveillon da Praia de Copacabana é o maior do País
Gabriel Monteiro/Agência O Globo
Réveillon da Praia de Copacabana é o maior do País

Foi difícil baixar a animação do público que lotou a Praia de Copacabana até o início deste dia 1º de janeiro. Às 6h, quando começou o serviço de limpeza da Comlurb, muita gente ainda ocupava as areias na altura do copacabana Palace, onde foi instalado o palco principal da festa.

Leia também: STJ libera "cercadinho VIP" em praias do RJ na virada do ano

Só em Copacabana, o trabalho de limpeza, segundo a Comlurb, foi feito por 1.202 garis, que tiveram dificuldade em tirar os mais animados (e outros tantos exaustos) no caminho dos tratores que circulavam pela areia. Ainda de acordo com a empresa, passarão pela orla 73 veículos, entre caminhões, tratores e carros-pipa, que darão a última “geral” no asfalto por volta das 10h.

A quantidade de lixo assustou alguns turistas , como a paisagista mineira Aline Cristina Souza, de 38, que esperava o ônibus fretado que a levaria de volta para Belo Horizonte.  "Achei os fogos maravilhosos, mas posso ser sincera? Estou achando um nojo", disse ela, que pretende voltar à cidade fora da época de festas.

A sujeira nem incomodou tanto o estudante Jonatan Lopes, de 20 anos, morador de Mesquita, que fez sua estreia em Copacabana neste ano. O que pegou mesmo foram os furtos. "Adorei a festa, mas o que pegou foram os muitos ladrões de cordão".

Você viu?

Há turistas que passam a noite toda na Praia de Copacabana
Jorge Hely/Agência O Globo
Há turistas que passam a noite toda na Praia de Copacabana


Vendas moderadas

Muitos vendedores ambulantes ainda resistiam no início da manhã na tentativa de vender o que sobrou de seus estoques. A percepção geral foi de que os cariocas e os turistas, dessa vez, pisaram no freio na hora de consumir e preferiram levar bebidas de casa. O motorista de Uber Marvin Borges vende bebidas na areia há 7 anos e dessa vez ficou no prejuízo: "A cerveja na rua fica cara e muita gente trouxe de casa. Investi R$ 1.178 e estou levando R$ 1.300".

Leia também: Cariocas e turistas acampam na praia para acompanhar festa da virada no Rio

Pela primeira vez como ambulante na Praia de Copacabana , Marcos Pereira Silva, de 20 anos, saiu decepcionado, dizendo que fez mais dinheiro com os jogos do Flamengo no Maracanã.  "A festa foi boa, só seria melhor se o pessoal consumisse mais com a gente, né?"

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários