Tamanho do texto

"Esses jovens têm consciência cívica de não deixar que isso aconteça na geração deles", diz presidente da ONG que realizou a ação contra a ditadura

Paus de arara arrow-options
Rio da Paz
A ação ocorreu no aniversário de 71 anos da Declaração Universal de Direitos Humanos

Vinte e um jovens foram pendurados em paus de arara na praia Copacabana, no Rio de Janeiro, nesta terça (10) com o objetivo de relembrar os 21 anos da ditadura militar brasileira, entre 1964 e 1985. A ação foi organizada pela ONG Rio de Paz , que desde 2007 luta pela redução de homicídios, e também homenageia a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que comemora 71 anos nesta terça. 

Leia também: Chamada de pirralha por Bolsonaro, Greta provoca presidente no Twitter

Durante a ditadura militar, paus de arara  foram utilizados para punir ou extrair informações de opositores, configurando violações de direitos humanos. "A gente sente o que aconteceu. Ter que colocar minha melhor amiga no pau de arara [durante o protesto] foi horrível", conta a estudante Paula Montenegro, de 17 anos.

"Infelizmente, a gente ainda tem que lutar contra a ditadura porque tem gente que acha isso certo. O que o país viveu foi ditadura, não revolução como muitos defendem. Estamos representando as famílias dos desaparecidos desse período", completa Paula.

Leia também: Maioria da população considera justa a soltura de Lula, aponta Datafolha

"Eles não viveram o período da ditadura, que roubou 21 anos da minha vida. Esses jovens têm consciência cívica de não deixar que isso aconteça na geração deles", diz Antonio Carlos Costa, presidente da Rio de Paz. "Temos autoridades falando na volta do AI-5. Não aceitaremos um retrocesso histórico. O AI-5 é uma ameaça, um ataque às nossas garantias constitucionais", afirma.

"Ficamos poucos minutos, mas pensei nas pessoas que ficaram por horas. A gente tem que ter consciência do que aconteceu e lutar pela democracia ", relatou a estudante Marie Maitre, de 15 anos, que foi pendurada.

Leia também: Polícia queria prisão do filho de Lula, mas juíza negou pedido

Assista a ação de conscientização sobre os crimes de direitos humanos cometidos na ditadura :