Tamanho do texto

Outros seis policiais já tinham sido tirados de suas atividades após operação

Operação arrow-options
Baile do 17 / Facebook / Arquivo
Jovens foram mortos após tumulto em baile funk de Paraisópolis

O governo de São Paulo decidiu afastar de suas funções mais 32 policiais militares envolvidos na ação que resultou em nove mortes na Favela de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, no último dia 1º. Até agora seis PMs tinham sido tirados de suas atividades. As informação são do G1.

Leia também: Oito dias depois, Eduardo Bolsonaro comenta Paraisópolis e culpa população

As mortes aconteceram durante a realização de um pancadão nas ruas da favela , conhecido como Baile da DZ7. As vítimas tinham entre 14 e 23 anos.

No dia 1º de dezembro, homens do 16º Batalhão da Polícia Militar interromperam o Baile da DZ7 e encurralaram uma multidão em dois becos da favela. Imagens de câmeras e celulares mostraram os agentes agredindo as pessoas indiscriminadamente com cassetetes e barras de ferro. Além das vítimas, houve jovens internados em razão das agressões.

As investigações sobre as mortes estão sendo realizadas pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHHP) da Polícia Civil e pela Corregedoria da Polícia Militar. Depois de dizer que não haveria mudanças na atuação da PM em pacandões, o governador João Doria anunciou no final da semana passada uma determinação para que os procedimentos da corporação nesse tipo de ação sejam alterados.

Leia também: Marco Feliciano é expulso do Podemos após tratamento odontológico de R$ 157 mil