Tamanho do texto

País já soma 382 autorizações de pesticida na agricultura em 2019. Anvisa pretende substituir os mais danosos por menos agressivos com o tempo

agrotóxico arrow-options
FAO/Harry Vander Wul/ONU
Presidente da Anvisa informou intuito de liberar todos os pesticidas da lista é forma de modernizar nicho a longo prazo.

O Ministério da Agricultura liberou nesta quinta-feira (3) mais 57 agrotóxicos no Brasil . Ao todo, em 2018, o número de pesticidas autorizados foi 450. Em 2019, o país já soma 382 novos ingredientes, dos quais 46 ainda não haviam aparecido na lista. 

Leia mais: Pesquisadora é perseguida após comprovar que agrotóxicos causam danos a saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou para a Folha de São Paulo que está acelerando os processos de liberação com o intuito de esvaziar a fila de agrotóxico e modernizar os pesticidas usados em território nacional. 

Para o diretor-presidente da Anvisa, William Dib, a estratégia de liberação representa uma ‘oportunidade para desenvolver agrotóxicos menos danosos’. À Folha, ele disse que 'vivíamos em um cinismo', porque pesticidas perigosos eram usados por conta de outros 'mais evoluídos' estarem na fila de espera há anos.

Leia também: Com aprovação de mais agrotóxicos, apicultores temem novo extermínio de abelhas

E complementou: 'Aí eu tiro da fila e vocês gritam. É o seguinte: agora conseguimos encontrar um equilíbrio. Temos os registros em dia e agora vamos estudar os mais críticos e sua retirada', justificou para Folha de São Paulo.