Tamanho do texto

Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima, estavam com familiares e do advogado Rodrigo Mondego, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Rio

pais da menina Ágatha arrow-options
Reginaldo Pimenta/Agência O Dia
Pais da menina Ágatha chegaram por volta de 10h30 na Delegacia de Homicídios da Capital

Os pais da menina Ágatha Vitória Félix, de 8 anos, morta na madrugada do último sábado (21) no Alemão, chegaram por volta das 10h30 desta quarta-feira (25) na Delegacia de Homicídios da Capital. Eles prestam novo depoimento sobre o caso.

Leia também: "Governador, muda essa política de atirar", pede pai da menina Ágatha

Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima, estavam acompanhados de familiares e do advogado Rodrigo Mondego, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Rio.

Também pela manhã, policiais da DHC encaminharam ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli três fuzis e duas pistolas que eram usados pelos policiais militares da UPP Fazendinha no dia em que a menina foi baleada. As armas serão periciadas e o laudo deve ficar pronto ainda hoje. De acordo com a Polícia Cívil doze PMs já prestaram depoimento .

Ontem, o delegado titular da DHC, Daniel Rosa, explicou que o fragmento retirado do corpo da criança era muito pequeno e pode dificultar o trabalho da perícia em identificar o calibre do tiro que a atingiu."Os fragmentos são muito pequenos porque o tiro vai batendo em vários lugares", disse.

Leia também: Não parou em Ágatha: criança de 11 anos é atingida por bala perdida no Rio

Também na terça, o motorista da Kombi em que a menina Ágatha foi baleada voltou a rebater a Polícia Militar e reforçou que não havia confronto no momento do incidente.