Angélica
Reprodução/Facebook
Angelica de Figueiredo Lima, de 42 anos

A educadora infantil Angelica de Figueiredo Lima, de 42 anos, morreu após ser torturada, na noite desta segunda-feira (23), na casa em que morava, no bairro Rio do Ouro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. Ele foi atingida por socos, tesouradas e golpes de um ferro de passar roupa.

Leia também: Mulher que reclamou de violência em entrevista é presa por roubo 18 dias depois

Mesmo muito ferida, a mulher conseguiu ligar para a irmã e pedir ajuda. Ela foi levada para o Hospital estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê, também em São Gonçalo, onde acabou morrendo. O suspeito fugiu.

O crime ocorreu por volta das 20h. A educadora teria sido surpreendida pelo assassino, que já estaria dentro da residência, na Rua Manoel Gonçalves Montes. Agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) estiveram no local para realizar uma perícia. A Polícia Civil informou que agentes fazem diligências "para esclarecer o caso".

Angelica trabalhava numa creche particular no bairro de Icaraí, em Niterói, também na Região Metropolitana. O corpo dela foi levado para o Instituto Médico Legal ( IML ) de Tribobó, em São Gonçalo.

Leia também: Flordelis terá que dar explicações sobre adoções irregulares nesta quarta-feira

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários