Tamanho do texto

Tragédia ocorrida no último dia 25 de janeiro deixou 270 mortos; penas preveem reclusão de seis a vinte anos e indenização para familiares

Brumadinho arrow-options
Agência O Globo
tragédia em Brumadinho

O relatório final da CPI de Brumadinho da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que investiga a tragédia causada pelo rompimento da barragem de rejeito de minério B1, pediu nesta quinta-feira (12) o indiciamento da cúpula da Vale por homicídio doloso eventual, que é quando se assume o risco de que o crime ocorra.

Leia também: Indigenista colaborador da Funai é assassinado na Amazônia

O desastre de Brumadinho , ocorrido no último dia 25 de janeiro, deixou 270 mortos. As penas para homicídio doloso preveem reclusão de seis a 20 anos. Agora, o relatório vai à votação. Entre os indiciados estão o presidente Fábio Schvartsman e o diretor-executivo da Vale, Peter Poppinga, ambos afastados, a responsável técnica pela barragem, Cristina Malheiros. O relatório pede ainda indenização para os familiares de todas as vítimas.

A CPI é presidida pelo deputado Gustavo Valadares (PSDB) e tem André Quintão (PT) como relator e já dura seis meses. "Omissão da Vale foi causa relevante para a ocorrência dos crimes", disse Quintão na apresentação do relatório.

Além de nomear os reponsáveis pela tragédia, o relatório aponta em 300 páginas uma série de recomendações aos órgãos públicos para evitar novos desastres. Durante o trabalho de investigação da força-tarefa formada pelo Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal, Polícia Civil e Polícia Federal , além das comissões parlamentares de inquérito do Congresso e da ALMG, mais de 500 pessoas foram ouvidas e milhares de mídias eletrônicas foram recolhidas para análise.

O relatório da CPI , depois de aprovado pelos integrantes da comissão, será encaminhado à Mesa da Assembleia, para publicação, e aos órgãos aos quais forem feitas as recomendações, para as devidas providências.

CPI no Congresso

O Senado instalou em meados de março sua CPI, composta por 11 senadores titulares e outros 7 suplentes e apresentou quatro meses depois o relatório final com a proposta de indiciamento de 1 4 pessoas, entre elas o presidente da Vale Fábio Schvartsman.

Para conseguir aprovar seu parecer, o relator no Senado, Carlos Viana (PSD-MG), decidiu agravar o pedido de indiciamento que enquadrava os envolvidos em homicídio culposo para dolo eventual, ou seja, afirmando que eles tinham ciência dos problemas na barragem.

Um dos pontos principais do relatório é a apresentação de projetos de leis para alteração do Código Penal, que hoje não possui uma legislação específica que enquadre crimes ambientais de tal magnitude como foi Mariana e agora Brumadinho.

Leia também: Os dias de Iriana nas ruas de Recife: com um bebê e sem documentos

Já na Câmara, a CPI só foi instalada somente três meses depois do acidente e ainda não tem prazo para apresentar o relatório final. "Não temos dúvidas sobre o dolo eventual, queremos que essas pessoas sejam julgadas no tribunal do júri", afirma o presidente da CPI, deputado Jùlio Delgado (PSB-MG).