Tamanho do texto

O milionário Renné Souza foi assassinado a tiros em 2007, no Rio; Adriana Almeida, sua esposa na época, foi condenada por ser mandante do crime

Adriana Ferreira Almeida durante seu julgamento no Tribunal de Justiça do Rio arrow-options
Márcio Alves/Agência O Globo
Adriana Ferreira Almeida ficou conhecida como Viúva da Mega-Sena por mandar matar o milionário Renné Senna

A 8ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio rejeitou o último habeas corpus pedido pela defesa de Adriana Ferreira Almeida, a "Viúva da Mega-Sena ". Com essa decisão, se esgotam os recursos possíveis para ex-cabeleireira, que finalmente foi condenada definitivamente pelo assassinato do marido, o ex-lavrador e milionário Renné Senna, em janeiro de 2007.

Leia também: Relembre os crimes relacionados à Mega-Sena

"À mingua de ilegalidade ou abuso de poder contra a liberdade de locomoção da paciente, o habeas corpus desvia-se de sua finalidade e torna-se, por consequência, inadequado para o único fim de reformar a sentença condenatória do Tribunal Popular, que é o que remanesce", escreveu o desembargador Claudio Tavares de Oliveira Junior, relator do caso da "Viúva da Mega-Sena ".

A defesa de Adriana — que foi condenada em primeira instância em dezembro de 2016 a 20 anos de prisão por ser mandante do assassinato do ex-marido — pedia, no habeas corpus, a diminuição da pena. O pedido foi negado por unanimidade.

Agora, Adriana só tem mais uma pendência com a Justiça: ela aguarda o último recurso do processo que vai definir a partilha da herança de Renné Senna , estimada em R$ 120 milhões. Apesar de a Justiça ter anulado o testamento que beneficiava a ex-cabeleireira, a filha do milionário recorreu da decisão. Renata Almeida Senna, de 32 anos, deseja a revalidação do testamento que beneficia a assassina de seu pai em detrimento do outro que dividia a herança entre ela e seus nove tios, irmãos do ex-lavrador.

Leia também: Kajuru chama PGR de "goiana canalha" e ataca: "Melhor que Dodge, até um poste"

No recurso, a defesa de Renata argumenta que Adriana não tinha intenção de matar o milionário quando o testamento foi assinado, três meses antes do crime e mais de um ano depois de Renné ganhar uma bolada na Mega-Sena. O recurso deve ser julgado até o final do ano.

René Senna foi executado a tiros por dois homens contratados por Adriana, em janeiro de 2007, em Rio Bonito, na Região Metropolitana do Rio. De acordo com a sentença que condenou a cabeleireira, Adriana ordenou a morte do marido após ele ter dito que iria excluí-la do testamento , pois havia descoberto que estava sendo traído.

Atualmente, ela cumpre a pena em um presídio do Rio. O sítio em que o casal vivia antes do crime — um dos bens mais valiosos da herança — está abandonado.

Leia também: Polícia investiga mãe que pode ter forjado suicídio da filha após matá-la

Durante o julgamento em que foi condenada, a "Viúva da Mega-Sena"  disse que amava Renné e que sua vida era muito melhor quando ele estava vivo: “Eu tinha tudo”, afirmou na ocasião. Após o crime, Adriana se casou novamente e incorporou o sobrenome do novo marido ao seu. Hoje, ela assina Adriana Ferreira Almeida Nascimento.

    Leia tudo sobre: Mega-Sena