Coronel
Reprodução/Facebook
Ao todo, militar publicou oito vídeos com ataques aos ministros

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro ofereceu denúncia nesta segunda-feira (2) contra o coronel reformado do Exército Antônio Carlos Alves Correia pela prática do crime de incitação à animosidade entre as Forças Armadas e ministros de tribunais superiores após a gravação de vídeos, no período eleitoral do ano passado, em que ele incitava a animosidade entre as Forças Armadas e o Poder Judiciário.

Leia também: Privatizar Petrobras é o melhor caminho? Governo estuda, mas desconversa

O crime está previsto na Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170/83), e caso condenado, o coronel da reserva poderá pegar pena prevista de reclusão de 1 a 4 anos.

Entre os dias 31 de setembro e 19 de outubro de 2018, durante o período de propaganda eleitoral, o oficial publicou em seu canal de vídeos no Youtube oito vídeos em que lançava supostas ameaças à presidente do Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ) à época, ministra Rosa Weber , e a outros ministros da Corte Eleitoral, do Supremo Tribunal Federal ( STF ) e do então ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann .

O oficial da reserva foi alvo de mandado de busca e apreensão em 26 de outubro de 2018 e, na época, foi obrigado a usar tornozeleira eletrônica, por decisão da 5ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro , além de manter distância de 5 quilômetros dos ministros da Corte .

Na busca e apreensão, foram recolhidos na casa do coronel oito dispositivos eletrônicos, sendo quatro aparelhos de telefone celular, um HD externo e três computadores portáteis. Com a quebra do sigilo telemático, a equipe da Polícia Federal conseguiu identificar mais 30 arquivos de vídeos gravados em circunstâncias muito similares aos vídeos tratados na denúncia.

“Não bastasse a tensão natural a qualquer processo eleitoral, o país, desde 2014, vinha experimentando uma preocupante onda de radicalização política e ideológica a provocar manifestações extremadas, em especial em ambientes de redes sociais”, escreveu o procurador da República José Maria Panoeiro, autor da denúncia.

Leia também: Capes anuncia corte de 5.613 bolsas de pós-graduação para este ano

Panoeiro escreveu ainda na denúncia que não restariam dúvidas que a intenção principal de Correia seria criar animosidade entre as Forças Armadas e Tribunais Superiores. O procurador escreveu que a suposta intenção do coronel reformado seria fomentar uma “possível intervenção militar ou contexto de convulsionamento civil valendo-se de supostas ameaças, ataques à honra e manifestações de descrédito em relação à higidez do processo eleitoral como um todo”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários