hacker
Daniel Marenco / Agência O Globo
Suspeitos de hackear telefones de autoridades são transferidos e ficarão isolados

Três dos quatro presos suspeitos hackear o Telegram de autoridades públicas foram transferidos nesta sexta-feira (2) para presídios do Distrito Federal. Os suspeitos detidos na Operação Spoofing ficarão em celas isoladas. Walter Delgatti Neto , que admitiu ter invadido os aplicativos do celular do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, continua na Superintendência da Polícia Federal.

Leia também: Perícia da Polícia Federal conclui que hackers atacaram 1.162 telefones

Os outros dois suspeitos de hackear os telefones, Gustavo Souza e Danilo Marques, foram transferidos para o Centro de Detenção Provisória (CDP), no Complexo da Papuda, e Suelen Priscilla de Oliveira para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal.

A Secretaria de Segurança do Distrito Federal informou, em nota, que "por motivos de segurança, todos ficarão separados da massa carcerária, em celas separadas e sem contato entre eles".

Os suspeitos foram transferidos após o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal,  decretar nesta quinta-feira a prisão preventiva (sem prazo) dos quatro alvos da operação. Além dos três que foram transferidos nesta sexta-feira, Walter Delgatti também teve a prisão decretada.

O juiz acolheu pedido da Polícia Federal, que argumentou que, caso fossem colocados em liberdade, os suspeitos de hackear as autoridades poderiam apresentar risco para as investigações.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários