Tamanho do texto

Nelma Kodama exibe o "acessório" que usa desde julho de 2016, quando conseguiu permissão para o regime aberto, após ser presa na força-tarefa

“Se existe ainda quem queira me condenar… Venha logo a primeira pedra atirar!”. É com essa legenda que a doleira Nelma Kodama publicou uma foto em seu perfil no Instagram na manhã deste domingo (28), usando um vestido vermelho em que é possível notar a tornozeleira eletrônica, que usa desde junho de 2016.

Nelma Kodama de vestido vermelho e a tornozeleira eletrônica arrow-options
Reprodução/Instagram @nelma_kodama
Nelma Kodama, doleira da Lava Jato

Desde que deixou a cadeia, depois de ter sido  condenada a 18 anos de prisão , a doleira da Lava Jato , como ficou conhecida, tenta levar a vida normalmente - pelo menos é o que mostra na rede social, onde exibe fotos onde a tornozeleira eletrônica aparece, sem nenhuma cerimônia.

No sábado (27), por exemplo, Nelma postou outra imagem que enfatiza sua condição em regime aberto. Na foto, que faz parte de um ensaio para a revista “Veja” em julho de 2016,  o corte é voltado para a tornozeleira eletrônica e ela aparentava estar em um vestido vermelho, usando um sapato Chanel.

Leia também: "Brasil é movido pela corrupção", diz doleira ouvida pela CPI da Petrobras

O tornozelo da doleira da Lava Jato com a tornozeleira eletrônica e sapato Chanel arrow-options
Reprodução/Instagram @nelma_kodama
Nelma Kodama, doleira da Lava Jato

A conta, que é aberta ao público, conta com pouco mais de 2,3 mil seguidores e as fotos onde o “acessório” aparece costumam ter mais curtidas do que a maioria. Entre os comentários, há quem elogie e quem critique. 

“Veja quanto orgulho a doleira da Lava Jato tem em mostrar seu look da Valentino e Chanel acompanhado de seu lindo acessório... Qual é a marca mesmo dessa tornozeleira?”, escreveu uma usuária.

Esta está longe de ser a primeira vez que Nelma chamou atenção por sua extravagância. Desde sua prisão, no Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica), em Guarulhos, na madrugada de 15 de março de 2014, ela já ganhava espaço nos noticiários por ter tentado embarcar para Milão, na Itália com 200 mil euros escondidos na calcinha.

Outro momento marcante é um depoimento feito à CPI da Petrobras em 2015 , quando foi explicar como era sua relação com o doleiro Alberto Youssef . Na ocasião, ela respondeu: "Sob meu ponto de vista, eu vivi maritalmente com Alberto Youssef do ano de 2000 a 2009. Amante é uma palavra que engloba tudo, né? Amante é esposa, amante é amiga".

E então, emendou: "Tem até uma música do Roberto Carlos: a amada amante, a amada amante. Não é verdade? Quer coisa mais bonita que ser amante? Você ter uma amante que você pode contar com ela, ser amiga dela". Em seguida, no meio do depoimento, a doleira da Lava Jato  decidiu cantarolar “Amada Amante”, sucesso de 1971 do Rei da Jovem Guarda.