Tamanho do texto

Serviços de emergência registraram ao menos dez deslizamentos de terra na madrugada desta quarta-feira; escolas públicas tiveram aulas canceladas

chuva arrow-options
Reprodução
Olinda amanheceu debaixo d'água após as fortes chuvas da madrugada

Fortes chuvas na madrugada desta quarta-feira causaram a morte de 13 pessoas na Região Metropolitana de Recife, em Pernambuco. De acordo com o Corpo de Bombeiros, a tempestade derrubou árvores e barreiras, o que dificultou o deslocamento de muitos cidadãos e a circulação de ônibus pela região nesta manhã.

Cinco pessoas morreram em um deslizamento de barreira em Abreu e Lima. Outras cinco perderam a vida em Recife , nos bairros de Dois Unidos e Passarinho, e três em Olinda, na localidade de Águas Compridas.

Uma das vítimas, identificada como Maria Eduarda, de 21 anos, estava grávida de oito meses. Ela foi encontrada sem vida no bairro de Caetés, em Abreu e Lima, depois de um deslizamento de terra. Além dela, morreram neste local seus irmãos Luiz Henrique, de 15 anos, e Mariana, de 18 anos. A mãe das vítimas, Ariana Tereza Xavier, de 39 anos, foi resgatada com vida e levada a um hospital de Paulista.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, Adalmir Ferreira dos Santos estava sozinho em outra casa do bairro Caetés e morreu no deslizamento, assim como Silvano Silva, de 49 anos.

Na Estrada do Passarinho, em Recife, morreram duas pessoas — Natalicio Vicente da Silva, de 69 anos, e Ivonete Maria da Silva, de 63 — vítimas de um deslizamento de barreira. Eles eram casados e tiveram os corpos encontrados lado a lado. As autoridades confirmaram que pessoas de nome Diego e Elisângela também morreram nesta localidade. Já José Barbosa, de 34 anos, não resistiu a um deslizamento no bairro de Dois Unidos, em Recife.

Iraci Maria da Conceição, de 78 anos, e Abraão Batista da Silva, de 25 anos, morreram no bairro de Águas Compridas, em Olinda. Outra pessoa ainda não identificada faleceu no Alto do Sol Nascente, nesta mesma cidade.

Por causa do temporal , escolas municipais tiveram as aulas canceladas nesta quarta-feira. O governador Paulo Câmara cancelou a agenda para acompanhar a situação.

A Defesa Civil de Recife registrou por volta de 8h que, no período de seis horas, caíram na região 101 milímetros de chuva — volume equivalente ao de oito dias na média histórica local para o mês de julho, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Chove sem parar na Região Metropolitana de Recife desde a terça-feira. Fortes rajadas de vento também preocupam. Com ruas alagadas, cidadãos precisaram ser resgatados de residências de Olinda em barcos.

Sete barreiras deslizaram em Jaboatão dos Guararapes. Ninguém ficou ferido no local, mas muitos foram retirados de suas casas. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também registrou incidentes do tipo no Alto Nova Olinda, em Olinda; na Rua do Bosque, em Paulista; e em Caetés, Abreu e Lima.

A Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) estimou que a chuva no Grande Recife e na Zona da Mata devem persistir durante a quarta-feira, embora com menor intensidade.

Leia também: Jacaré é capturado por moradores durante fortes chuvas no Grande Recife

O temporal atrapalha a circulação do transporte público nesta manhã. Só em Olinda, cerca de 20 ônibus fazem fila na Cidade Tabajara, sem conseguirem transitar por vias alagadas. Caminhões, camionetes e carros comuns pararam no acostamento. Em algumas localidades, o nível da água chegou à metade da altura dos carros e deixou pessoas ilhadas em suas residências.