Tamanho do texto

Segundo investigações da polícia, homem teria retirado dinheiro da conta da família, que é de Minas Gerias, para utilizar de forma indevida na Bahia

Doença arrow-options
Reprodução/Facebook
Página 'Ame João Miguel' foi criada para arrecadar fundos para o tratamento do menino de apenas um ano e sete meses

Uma história bizarra e inusitada aconteceu com uma família de Minas Gerais. Depois de arrecadar cerca de R$ 1 milhão para o tratamento do filho de um ano e sete meses, portador de Atrofia Muscular Espinhal (AME), o pai do pequeno João Miguel é suspeito de ter fugido com o dinheiro e gastá-lo de maneira indevida.

Leia também: Terroristas do Hezbollah têm ligação com traficantes do Rio de Janeiro

Segundo informações da Polícia Civil, a investigação foi iniciada quando agentes da corporação foram informados de que o pai do menino, Mateus Henrique Leroy Alves, havia aplicado um golpe milionário na própria família e fugido com o dinheiro para a Bahia. Ele foi preso em Salvador na tarde desta segunda-feira (22).

A família, que mora em Conselheiro Lafaiete (MG), havia realizado uma 'vaquinha virtual' para conseguir comprar medicamentos e custear o tratamento. Inclusive, chegaram a criar uma página no Facebook, que tinha o nome de 'AME João Miguel' e era gerenciada pelo pai, para divulgar o dia a dia do menino.

Na descrição da página, a família explica como é a doença, que é bastante rara, genética e degenerativa. Um dos tratamentos mais eficazes para auxiliar no controle dos sintomas é a utilização do remédio ' Spinraza ', avaliado em R$ 370 mil. Por este motivo, a ' vaquinha ' era tão necessária para a família.

Leia também: O que muda com a reforma: quem pode se beneficiar das regras de transição

"Contas estavam zeradas"

Em entrevista ao G1, o delegado Daniel Gomes afirmou que Mateus gastou cerca de R$ 600 mil do que foi arrecadado e que foram apreendidos com o suspeito relógios, jóias, objetos de luxo, maconha e R$ 3 mil em espécie.

“Descobrimos que desde abril ele vem realizando saques na conta do filho, que estava zerada”, explica Gomes. De acordo com ele, o casal havia dividido a manutenção das contas em dois: cada um cuidava de duas das quatro que foram abertas para o recebimento das doações. Porém, Mateus teria descoberto a senha da mulher e efetuado saques em todas elas.

Ainda de acordo com o portal, o pai do pequeno João Miguel teria revelado que estava sendo extorquido e que o dinheiro foi repassado aos criminosos. Ele disse ainda que teve medo e, por este motivo, fugiu sem informar aos policiais sobre o caso de extorsão.