Tamanho do texto

De acordo com as investigações do Conselho, 11 empresas e 42 pessoas fraudaram 27 projetos desde 1998 em vários estados brasileiros

Estação Oscar Freire do metrô, em São Paulo
Reprodução/Facebook Metrô
Estação Oscar Freire do metrô, em São Paulo


O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) concluiu que 11 empresas e 42 pessoas estão envolvidas no esquema de formação de cartel em licitações do metrô e de trens em São Paulo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Todos foram condenados.

Leia também: Lava Jato, cartel de trens em SP e aeroporto de Claudio: os escândalos de 2014

De acordo com o Cade, as multas a empresas somam mais de R$ 515 milhões, enquanto as pessoas físicas, somadas, pagarão R$ 19,52 milhões. O Conselho chegou à conclusão de que pelos menos 27 licitações de metrô e trem foram fraudadas desde 1998, quando começou o esquema.

A investigação começou após executivos da Siemens fimarem o acordo de leniência. A Superientendência do Cade obteve docuemntos que provam ajustes entre executivos e empresas para vitórias em licitações, formando, assim, um cartel .

Leia também: Ministério Público ouvirá empresas envolvidas em supostas fraudes no metrô em SP

A Siemens, então, agia com outras empresas para impedir que concorrentes tivessem chances de ganho dos projetos.

Foram condenadas a Alstom Brasil Energia; Bombardier Transportation Brasil; CAF Brasil Indústria e Comércio; MGE Equipamentos e Serviços Rodoviários; IESA Projetos Equipamentos e Montagens; Mitsui & Co Brasil; MPE - Montagens e Projetos Especiais; TC/BR Tecnologia e Consultoria Brasileira; TTrans Sistemas de Transportes; Empresa Tejofran de Saneamento e Serviços; e Temoinsa do Brasil.

Ainda não se sabe se o dinheiro das multas serão obrigatoriamente usados em transporte públicos, além de metrô e trem.