Tamanho do texto

Segundo o Exército, mulher não faz parte da equipe de funcionários; dinheiro arrecadado foi usado para fazer festa para a filha e para viagens pessoais

IstoÉ

sargento
Divulgação/Polícia Civil
Mulher chegava a cobrar até R$ 30 mil de vítimas

Uma mulher de 40 anos foi presa por fingir ser sargento do Exército para aplicar golpes em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, Alzira de Jesus Araújo cobrava de R$ 4 mil até R$ 30 mil para “facilitar” uma suposta entrada nas carreiras de sargento e outras funções. Durante os três meses de investigações, policiais apuraram que ela esteve em eventos políticos e chegou a ser recebida por um candidato a governador. As informações são do G1 .

Leia também: Justiça Militar investiga civis por desacato, mas poupa soldados que matam

O Exército afirmou que Alzira não fez parte do quadro de funcionários. A mulher usou o dinheiro arrecadado para fazer uma festa para a filha e também para viagens pessoais. A suspeita de ter fingindo ser sargento ainda alegou que a farda usada nas fotos era da filha, que seria “convocada em breve”, mas a jovem de 22 anos negou os crimes e disse que não era a dona das roupas.

“Ela tinha contato pessoal com as vítimas e ia pessoalmente receber o dinheiro, alegando que já tinha pago as pessoas envolvidas. Nós encontramos vítimas que pagaram R$ 4 mil, R$ 7 mil e até R$ 30 mil para ela. Agora, a investigação continua porque nem todas elas compareceram na delegacia ”, disse um investigador do Grupo de Operações e Investigações (GOI).

Leia também: Carlos Bolsonaro discute com vereadores sobre prisão de sargento com cocaína

Nas redes sociais, Alzira usava vestimenta oficial para dar mais credibilidade nos golpes. A polícia estima que 15 pessoas foram vítimas da falsa militar, inclusive a própria filha da suspeita. A jovem teria pago R$ 3 mil para ingressar no quadro de sargentos do Exército.