Tamanho do texto

Pastor oferecia dinheiro, presentes, lanches e videogames para 'atrair' os menores para sua casa; suspeito deve responder por estupro de vulnerável

pastor
Divulgação/Polícia Civil
Falso pastor se intitulava de "Anjo Eric" e "Pai" para conquistar confiança das vítimas

Um homem de 36 anos foi preso, nessa segunda-feira (17), suspeito de abusar sexualmente de 11 crianças e adolescentes na região do Itapoã, no Distrito Federal. Segundo a Polícia Civil, o acusado se passava por um pastor e se intitulava de “Anjo Eric” e “Pai”, a fim de ganhar a confiança das vítimas e de seus familiares.

Leia também: "Sentia ódio e nenhum amor", afirma mãe de menino de 9 anos esquartejado

As apurações começaram no início deste mês, quando outro pastor da igreja que Gilmar Oliveira dos Santos frequentava denunciou os casos de pedofilia. De acordo com a investigação, o homem levava crianças e adolescentes para sua casa para orar e cantar, lugar onde, na verdade, cometeria abusos sexuais contra os menores.

Em nota, a polícia informou que o suspeito dava dinheiro, presentes, lanches, oferecia videogames às crianças para que frequentassem a casa dele e ainda alegava receber ordem de anjos para praticar abusos .

Leia também: Pesquisa mostra que 97% das mulheres já sofreram assédio em transporte

Após a denúncia do pastor da igreja, familiares das vítimas procuraram a unidade policial para relatar os abusos sofridos. “As adolescentes passaram a mutilar os próprios corpos, cortando com giletes. Uma delas escreveu com gilete nas coxas: 'a culpa é do Gilmar' e outra escreveu uma carta de despedida, pretendendo se suicidar. Após a divulgação dos fatos, mais duas vítimas compareceram à delegacia”, informou a Polícia Civil do Distrito Federal .

Leia também: Mãe joga bebê recém-nascida do 10º andar de prédio em São Paulo

O falso pastor foi preso e vai responder pelos crimes de estupro de vulnerável, nos casos em que as vítimas tinham menos que 14 anos. A pena pode variar entre oito e 15 anos de cadeia para cada caso. Já para os adolescentes maiores de 14, o suspeito responde por posse sexual mediante fraude e a pena é de seis a 12 anos de prisão.