Tamanho do texto

Presidente disse que quer 'acabar' com radares móveis nas rodovias do país, mas associação pede que Brasil não vá na "contramão" do mundo

Radar móvel
Divulgação/PRF
Em reação a Bolsonaro, policiais rodoviários diz que radares 'salvam vidas'

Contrariando  posicionamento do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que nesta quinta-feira (23) disse que quer "acabar" com radares móveis em rodovias do país, policiais rodoviários federais divulgaram uma nota em que afirmam que a função desses equipamentos é salvar vidas e que a visão a afirmação do chefe do executivo brasileiro está equivocada.

“A missão maior dos policiais rodoviários federais é salvar vidas. E o uso adequado e técnico de equipamentos de radar é um dos meios capazes de concretizar esta missão”, afirma o trecho de uma nota divulgada, nesta sexta-feira (24), pela Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FENAPRF), a respeito dos radares .

Em conversa com jornalistas e apoiadores no Estado do Paraná, Bolsonaro disse que pediu ao ministro Sérgio Moro , da Justiça e Segurança Pública, para que qualquer radar ou "pardal" não seja revalidado ao término dos contratos.

A PRF é subordinada à pasta de Moro. Bolsonaro ainda classificou os radares móveis como “uma armadilha para pegar os motoristas”. Ainda na tarde de ontem, as declarações do presidente provocaram descontentamento dentro da corporação.

"Vemos com preocupação a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o uso de radares móveis por parte da PRF. A utilização de tecnologias na fiscalização é fundamental para a redução do alto número de acidentes e mortes no trânsito", destaca o vice-presidente da FENAPRF, Dovercino Neto.

Ainda segundo Dovercino, as maiores nações do mundo utilizam o controle de velocidade, por meio de radares, com o objetivo de reduzir a mortalidade nas estradas e rodovias.

"Não podemos ir na contramão, sobretudo quando o Brasil ainda tem números tão alarmantes de mortes no trânsito, muitas das quais que decorrem do abuso da velocidade. A fiscalização pode e deve ser aprimorada. Mão temos como concordar com a eliminação deste tipo de fiscalização", completa Dovercino.

Bolsonaro tomou a decisão de acabar com os radares móveis depois de entrar em contato com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas. No mês passado, o presidente já havia anunciado o cancelamento de contratos para instalação de radares fixos.