Tamanho do texto

Covas falou que vai aplicar multas a quem não usar os patinetes elétricos da maneira correta; capital é a 1ª a regulamentar o uso desse transporte

Patinetes Elétricos estão sendo usados com frequência em São Paulo, como alternativa aos coletivos e ao carro particular
Agência Brasil/Rovena Rosa
Patinetes Elétricos estão sendo usados com frequência em São Paulo, como alternativa aos coletivos e ao carro particular

O prefeito da capital paulista, Bruno Covas (PSDB), reafirmou nesta quarta-feira (15) que pretende ampliar a malha de ciclovias de São Paulo em 170 km até o final de 2020. A declaração do prefeito foi dada em entrevista ao programa Mais Você , da TV Globo , na manhã de hoje. 

Ainda nessa entrevista, Covas explicou como a prefeitura de São Paulo quer implementar, nos próximos 15 dias, novas regras para a utilização de patinetes elétricos na capital. Uma das novidades é a  obrigatoriedade do uso de capacete e a proibição de circulação nas calçadas. Além das multas que devem ser aplicadas a quem não cumprir tais regras.

"As multas são aplicadas em cima das empresas que detêm os patinetes , da mesma forma que a gente multa uma empresa locadora de veículos", disse Covas. Ainda hoje, as empresas que trabalham com a locação de patinetes em São Paulo já avisaram que pretendem repassar essas multas para o usuário.  As multas em caso de descumprimento das regras podem variar de R$ 100 a R$ 20 mil.

Leia também: Informações de uso e riscos de patinetes elétricos são insuficientes, diz Procon

Também hoje, Covas afirmou que todos os aplicativos de aluguel de patinetes devem ter, em seus sistemas, uma trava automática que não permita que o usuário ultrapasse a velocidade de 20 km/h. As novidades fazem de São Paulo uma cidade pioneira no assunto, já que é a primeira brasileira a regulamentar uso dos patinetes elétricos.