Tamanho do texto

Kellner explicou que obras já executadas foram somente de escoramento e cobertura parcial, com uma verba de R$ 10 milhões liberada pelo MEC

Museu Nacional
Fernando Frazão/Agência Brasil
Informação foi divulgada pelo diretor da instituição, Alexandre Kellner

As obras de restauração do Museu Nacional vão começar este ano. A garantia foi dada nesta terça-feira (14) pelo diretor da instituição, Alexandre Kellner, durante assinatura de protocolo de intenção de cooperação técnico-científica com o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). O museu, ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi consumido por um incêndio no dia 2 de setembro do ano passado.

“As obras se iniciam este ano. Nós temos a dotação de R$ 1 milhão, para o projeto executivo da reconstrução das fachadas e do telhado. Dentro deste contexto, a UFRJ já fez a licitação, a empresa já foi contratada e nós temos uma emenda parlamentar impositiva, através da bancada federal do Rio de Janeiro, de R$ 55 milhões. Temos o dinheiro, tem o projeto, é só começar o trabalho. Cobrem da gente: este ano, nós começamos com as obras de reconstrução do Museu Nacional ”, disse Kellner, ao lado do presidente do Ibram, Paulo Amaral.

Leia também: Museu Nacional recupera coleção egípcia, incluindo múmia dada a D. Pedro II

Kellner explicou que as obras executadas até agora foram somente de escoramento e cobertura parcial, com uma verba de R$ 10 milhões liberada pelo Ministério da Educação. “Até dezembro vai ter andaime, vai ter gente trabalhando. Não é para fazer a limpeza. É trabalhando efetivamente. É obra, verdadeiramente, de restauração da fachada”, disse.

Investimentos

O presidente do Ibram disse que os investimentos totais na restauração podem chegar a centenas de milhões de reais e que atualmente as verbas federais estão escassas. “O Ministério da Cidadania [que engloba a Secretaria da Cultura], e o governo como um todo, tem dificuldades financeiras. E uma obra como essa é de muitos milhões. Estamos falando aqui de R$ 200 milhões, de R$ 300 milhões, de R$ 500 milhões. Só os projetos vão dizer, mas é daí pra fora”, disse Amaral, citando a Lei de Incentivo à Cultura, antiga Lei Rouanet, que permite investimentos privados em troca de isenções fiscais.

O diretor do Museu Nacional calculou que só dentro de cinco anos poderá reabrir, parcialmente, o museu ao público. Segundo ele, talvez um pouco antes seja possível ter acesso a uma parte restrita do espaço. A demora na obra se deve à complexidade do trabalho, que é bem diferente de se erguer um prédio novo, pois deve seguir normas específicas de restauro.

Segundo Amaral, o novo conceito do Museu Nacional será divulgado dentro de 11 meses, provavelmente em abril de 2020, quando vai ser definido a formatação final do espaço, que reunirá partes dedicadas ao acervo histórico e também a obras e equipamentos contemporâneos.

Leia também: Incêndio que destruiu Museu Nacional começou no ar condicionado, diz laudo da PF

Doações

A preocupação imediata de Keller é bem mais simples. Ele precisa, urgentemente, de verbas para adquirir 10 contêineres para guardar parte do acervo que não foi consumido pelas chamas. Cada contêiner custa, aproximadamente, R$ 35 mil.

O diretor do museu fez um apelo a empresas interessadas em ajudar com doações financeiras e também a indivíduos que desejem contribuir. Um dos canais oficiais possíveis para doações, auditado e transparente, é a associação Amigos do Museu Nacional . Na página da entidade, www.samn.org.br , há informações de como fazer as doações.