Tamanho do texto

Operação de resgate no município de Medicilândia foi encerrada no dia 18 de abril e divulgada pelo Ministério Público do Trabalho na última quarta-feira

Escravidão
Agência Brasil
Trabalhadores viviam em condições precárias em fazenda no Pará

Sete trabalhadores foram resgatados em situação semelhante a de escravidão no município paraense de Medicilândia, na região sudeste estado. A operação de resgate foi encerrada no dia 18 de abril e divulgada pelo Ministério Público do Trabalho na última quarta-feira.

Os resgatados atuavam em duas fazendas de corte de gado bovino no Pará , sem condições dignas de trabalho e moradia, sem instalações sanitárias adequadas e sem o registro na Carteira de Trabalho.

Leia também: Aumento do uso de aplicativos reduz mortes no trânsito, diz pesquisa

A água consumida pelos trabalhadores era retirada de igarapé ou poço artesiano e o mato era utilizado para as necessidades fisiológicas. Os fiscais também encontraram agrotóxicos armazenados no mesmo local dos alojamentos, o que poderia colocar em risco a saúde dos trabalhadores.

Os proprietários das fazendas, que são irmãos, vão ter de pagar aos empregados verbas trabalhistas que somadas contabilizam cerca de R$100 mil reais. Eles também assinaram um Termo de Ajuste de Conduta em que se comprometeram a regularizar a situação dos empregados.

O MPT vai ajuizar ação civil pública para cobrar indenização por dano moral coletivo por submissão de trabalhadores a condições degradantes de trabalho.

Leia também: Médico conhecido como "Doutor Bumbum" tem registro profissional cassado

Além da responsabilização trabalhista, os empregadores poderão ter de pagar indenização por dano moral coletivo e responder por crime de trabalho análogo à escravidão.

A operação contou com a participação do Ministério Público do Trabalho do Pará e do Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Rodoviária Federal. (pulsar)

*Informação da Radioagência Nacional