Tamanho do texto

Apenas o soldado Leonardo Delfino terá liberdade provisória; carro da família de Evaldo da silva foi atingido por 80 tiros de fuzil do Exército

fuzilamento
Fábio Teixeira / Parceiro / Agencia O Globo
Homem morre após ser baleado em ação do Exército na Zona Oeste do Rio

A juíza Mariana Campos, da 1ª auditoria da Justiça Militar, decidiu nesta quarta-feira (10) converter a prisão temporária em preventiva de 9 dos 10  militares presos por participação na morte do músico Evaldo da Silva, no Rio de Janeiro. O músico e sua família estavam no carro que foi alvejado por mais de 80 tiros e Guadalupe, na Zona Norte, durante uma ação do Exército.

Outras duas pessoas ficaram feridas na ação: o sogro dele, Sérgio Gonçalves, e um homem que passava e tentou ajudar. De acordo com investigadores, "tudo indica" que os militares do Exército confundiram o carro com o de assaltantes.

Para a juíza, houve descumprimento das regras militares como define o código militar. Apenas o soldado Leonardo Delfino terá liberdade provisória. Segundo os depoimentos, ele não atirou.

O Ministério Público Militar defendeu a prisão de nove dos réus. Nos depoimentos, os nove militares admitiram ter atirado contra o veículo onde estava Evaldo e sua família. Já o advogado dos militares defendeu a liberdade de todos os suspeitos. A defesa disse que não há perturbação da ordem por isso não justifica a prisão.

Permanecerão presos:

  1. Tenente Ítalo da Silva Nunes Romualdo,
  2. Sargento Fábio Henrique Souza Braz da Silva
  3. Soldado Gabriel Honorato
  4. Soldado Matheus Santanna Claudino
  5. Soldado Marlon Conceicao da Silva
  6. Soldado João Lucas Goncalo
  7. Soldado Leonardo Oliveira de Souza
  8. Soldado Gabriel da Silva Barros Lins
  9. Soldado Vitor Borges de Oliveira

O músico Evaldo dos Santos Rosa foi morto em uma operação do Exército, em Guadalupe, na zona oeste da cidade. O carro em que estava a família foi atingido por mais de 80 tiros disparados pelos militares. Evaldo, a mulher, o filho de 7 anos, o sogro e uma amiga da família estavam indo para um chá de bebê.

O músico foi atingido por três tiros e morreu na hora. O sogro, Sérgio Gonçalves de Araújo, recebeu um tiro nas costas e outro no glúteo. Os tiros atingiram também um homem que tentava socorrer a família. Segundo a viúva de Evaldo , Luciana Nogueira, não houve confronto, e os tiros começaram assim que o carro da família entrou na rua.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.