Tamanho do texto

Homem ainda agrediu verbalmente dois funcionários de uma loja de telefonia antes de ser detido por policiais militares que passavam pelo local

Fachada de loja da Vivo onde aconteceu caso de injúria racial e ameaça
Reprodução/Google Street View
Loja da Vivo na praça Diogo Vasconcelos, sul de Belo Horizonte, onde idoso foi preso por injúria racial e ameaça

Um homem de 60 anos foi preso em flagrante pela Polícia Militar por injúria racial e ameaça nesta terça-feira (2) contra dois funcionários e um cliente de uma loja Vivo, em Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Civil, o idoso já foi encaminhado ao sistema prisional. As informações são do jornal  O Tempo .

Leia também: Em sentença, juíza diz que réu branco "não possui estereótipo padrão de bandido"

O caso aconteceu na praça Diogo Vasconcelos, localizada na região sul da capital mineira, por volta das 16h da terça. O idoso , segundo o boletim de ocorrência, se exaltou com uma das funcionárias porque não havia panfletos com preços dos planos telefônicos na loja.

Ele, então, gritou com a mulher que o atendia e a chamou de "lixo", além de dizer a seguinte frase: "Sapatão, você recebe um salário de merda", conforme relato das testemunhas.

Outro funcionário da loja, quando percebeu a situação, se aproximou e pediu que o homem parasse com os xingamentos, mas o idoso passou a chamá-lo de "negrinho, viadinho" e disse que "na loja da Vivo só trabalham gays e sapatão".

Neste momento foi a vez de um cliente intervir, mas ele também foi xingado de "macaco". Policiais militares que passavam pela loja testemunharam a agressão verbal e prenderam o homem, que ficou calado quando foi questionado sobre os xingamentos.

A Vivo informou, por meio de nota, que "repudia qualquer tipo de tratamento pejorativo ou preconceituoso" e confirmou que os funcionários da empresa registraram boletim de ocorrência na delegacia. O idoso foi encaminhado para a Central de Flagrantes II da Polícia Civil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.