Tamanho do texto

Nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs foram divulgados; mensagem em indonésio atacou "falta de privacidade"

Print de ataque hacker ao CNJ
Reprodução/CNJ
Ataque hacker ao sistema do CNJ vazou dados de milhares de pessoas

Um ataque hacker ao sistema do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta segunda-feira (1º) vazou dados pessoais de milhares de pessoas. Segundo o conselho, nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas de usuários que utilizaram a plataforma foram divulgas na íntegra pelos responsáveis pelo ataque cibernético.

Após conseguir entrar no sistema, o hacker disponibilizou os dados na íntegra e deixou uma mensagem, escrita em indonésio, atacando a "falta de privacidade dos tempos atuais". O "trabalho" é assinado com o nome Pryzraky, um conhecido grupo de ativismo cibernético.

"Uma criança nascida hoje crescerá sem uma concepção de privacidade . Eles nunca saberão o que significa ter um certo momento para si pensamentos que não são registrados e não analisados. E isso é um problema porque a privacidade é importante; a privacidade é o que determina quem somos e quem queremos ser", diz a mensagem.

Em comunicado à impresa, o CNJ explica que foi "objeto de ataque de hackers". O conselho garante, no entento que "nenhum sistema de informações processuais, como o PJe (Processo Judicial Eletrônico), o BNMP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões) e o SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), foi afetado".

O advogado especialista em proteção geral de dados e privacidade, Robertson Emerenciano vê o vazamento do banco de dados do CNJ como algo gravíssimo. 

"O fato de acontecer um ataque em uma base de dados de uma instituição pública mostra como está vulnerável a questão. O próprio órgão mostrou que não está suficientemente equipado para preservar a privacidade", opina o advogado.

Emerenciano atenta que caso um cidadão se sinta lesado pela divulgação de seus dados, o CNJ deve reparar os danos.

"A pessoa tem direito de saber com transparência se foi afetada. O CNJ sabe, ou ao menos deveria saber quais foram os dados vazados e de quem são esses dados", explica.

Leia, na íntegra, a nota divulgada pelo CNJ

Nota de Esclarecimento

Nesta segunda-feira (1/4), o portal do Conselho Nacional de Justiça na Internet foi objeto de ataque de hackers.

Nenhum sistema de informações processuais, como o PJe (Processo Judicial Eletrônico), o BNMP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões) e o SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), foi afetado.

O CNJ acionou as autoridades e tomou as medidas necessárias para apurar os fatos e manter a segurança do Portal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.