manifestantes em ato contra a ditadura militar
Elineudo Meira/Mídia Ninja
Familiares de vítimas da ditadura militar e manifestantes ergueram fotos de desaparecidos

Manifestantes realizaram neste sábado (30) protesto em memória às vítimas da ditadura militar no Brasil (1964-1985), na Vila Mariana, zona sul de São Paulo. O ato ocorre a um dia de o início do regime que suprimiu direitos e culminou na tortura e no assassinato de centenas de opositores completar 55 anos, nesse 31 de março .

O protesto foi realizado em frente ao antigo prédio do DOI-Codi, o Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna, que foi um dos principais locais usados para prisões e interrogatórios mediante tortura durante a ditadura militar . Uma das vítimas a sucumbir no local foi o jornalista Vladimir Herzog, morto em 1975.

Os manifestantes, dentre eles vários familiares de vitimas da ditadura, levaram ao ato fotos de pessoas desaparecidas durante o sombrio período de 1964 a 1985 e cobraram que o prédio seja convertido em espaço de memória. Participaram grupos ligados a partidos políticos e entidades da sociedade civil, como o Instituto Vladimir Herzog .

O protesto se voltou também contra orientação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para que o Ministério da Defesa providencie as "comemorações devidas" nesse 31 de março. A polêmica medida motivou discussão judicial,  chegando a ser proibida por juíza da Justiça Federal em Brasília. A decisão, no entanto, foi  derrubada neste sábado (30) pela desembargadora plantonista " do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Também houve espaço para a cobrança de que o Estado brasileiro esclareça o paradeiro de milhares de pessoas que desapareceram nas mãos do regime militar. Outra cobrança recorrente é a revogação da  Lei da Anistia , de 1979, que impediu a punição dos agentes do Estado que praticaram execuções, tortura e outros crimes contra a humanidade.

Leia também: Joice Hasselmann apaga posts criticando a ditadura depois de comemorar golpe

A lei não é reconhecida pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, que já cobrou recorrentes vezes o Brasil a revogar o texto e também chegou a punir o Estado brasileiro por não investigar crimes ocorridos durante o período de ditadura militar .

    Veja Também

      Mostrar mais