Tamanho do texto

Comerciantes de Roraima reclamam de prejuízo e querem reabrir passagem; Denarium negocia reabertura com o governador do estado de Bolívar

Presidente venezuelano Nicolás Maduro anunciou o fechamento da fronteira com o Brasil no dia 21 de fevereiro
Reprodução/Instagram
Presidente venezuelano Nicolás Maduro anunciou o fechamento da fronteira com o Brasil no dia 21 de fevereiro

O fechamento da fronteira entre Brasil e Venezuela entrou neste domingo (3) no décimo dia ainda sem solução à vista e causando prejuízos aos comerciantes. O presidente venezuelano Nicolás Maduro anunciou o fechamento da fronteira com o Brasil no dia 21 de fevereiro .

Na quarta-feira (27), o governador de Roraima, Antonio Denarium, reuniu-se com o governador do estado de Bolívar, Justo Nogueira Pietri, para discutir a reabertura da fronteira  terrestre. No encontro, eles conversaram sobre tratativas comerciais que possibilitem abastecer as cidades fronteiriças de Pacaraima e Santa Elena de Uairén. Ambos demonstraram preocupação com o desabastecimento de produtos básicos para as duas regiões.
Segundo o secretário adjunto de Comunicação do governo de Roraima, Ricardo Amaral, os representantes venezuelanos ficaram de levar o pleito de restabelecimento das relações comerciais para o governo central da Venezuela , mas ainda não houve resposta.

De acordo com Amaral, não há registros recentes de casos de conflitos entre manifestantes e forças de segurança observados nos primeiros dias de fechamento do local. “O maior impacto é para os comerciantes porque, com a crise econômica e a escassez de produtos, os venezuelanos vinham comprar insumos do lado brasileiro”, disse.

Leia também: Militares brasileiros negociam recuo de tropas de Maduro 

Na sexta-feira (1º), Maduro afirmou, no Twitter, que sua determinação é promover, de forma pacífica, a cooperação e compreensão dos países com respeito e fraternidade. Ele não mencionou as reuniões do autodeclarado presidente venezuelano, Juan Guaidó, com os presidentes Jair Bolsonaro e Mario Abdo Benítez, do Paraguai, ocorridas em momentos distintos.

Conflitos na fronteira

MIlitares leais a Maduro têm travado confrontos com manifestantes em fronteiras da Venezuela
Reprodução/TV TeleSUR
MIlitares leais a Maduro têm travado confrontos com manifestantes em fronteiras da Venezuela

No último fim de semana houve tensão entre manifestantes e agentes de segurança da Venezuela, em Pacaraima (RR). Os cidadãos venezuelanos que estavam do lado do Brasil atiraram pedras contra os militares, que responderam com bombas de gás lacrimogênio e tiros.

Uma ambulância que entrou no Brasil, no último domingo (25) ainda trouxe três feridos por arma de fogo e outras 13 pessoas vieram ao país para receber atendimento médico.

O Ministério da Defesa divulgou nota informando que intercedeu para que novos incidentes na fronteira não voltem a se repetir e que os veículos antidistúrbios, que estavam na barreira montada no país vizinho, recuaram imediatamente. Já no lado brasileiro, os venezuelanos foram “controlados” para evitar novos confrontos e a fronteira continua aberta a fim de acolher os refugiados, de acordo com o Ministério.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas