Tamanho do texto

Defesa Civil alerta que não está arrecadando dinheiro e que os mantimentos recebidos até o momento são suficientes para atender as vítimas da tragédia

Falsos pedidos de doações para Brumadinho estão sendo investigados pelas polícias militar e civil de Minas Gerais
Agência Brasil / Isac Nóbrega/PR
Falsos pedidos de doações para Brumadinho estão sendo investigados pelas polícias militar e civil de Minas Gerais

A Defesa Civil de Minas Gerais fez um alerta em seu site oficial sobre falsos sites que estão arrecadando recursos para as vítimas do rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho. De acordo com o órgão, “ninguém está autorizado a recolher qualquer valor em nome do Estado”.

Os falsos pedidos de doações para Brumadinho estão sendo investigados pelas polícias militar e civil de Minas Gerais. “Infelizmente, o serviço de inteligência da polícia militar, cruzando com a polícia civil, tem detectado em muitas mídias sociais aproveitadores”, informou o major Flávio Santiago.

“É sempre importante falar para a sociedade que busque a confiabilidade. Às vezes, um site parece ser verídico, mas não traz informações consistentes. É importante que as pessoas verifiquem", ressaltou Santiago.

Durante coletiva de imprensa, o major reforçou que a Defesa Civil de Minas Gerais, neste momento, não precisa de doações, já que os esforços estão centrados na busca por sobreviventes e no resgate de corpos.  A Vale está responsável por providenciar a hospedagem de cerca de 135 pessoas desabrigadas em hotéis e pousadas de Brumadinho.

“A defesa civil não precisa de nenhuma doação no momento. Isso é muito importante frisar. Ela não pede depósito, não pede dinheiro, não tem nenhuma conta para que isso seja compartilhado. Até porque, se tiver, estará no site oficial da Defesa Civil de Minas Gerais”, disse.

“Toda tentativa de estelionato, o serviço de inteligência faz o monitoramento e, com toda, certeza investiga. Nós, da Polícia Militar, do serviço de inteligência, detectamos e passamos para a polícia investigatória para dar sequência a este fato”, concluiu.

Situação em Brumadinho

Peritos especializados da PF chegaram em Minas Gerais para auxiliar no reconhecimento das vítimas em Brumadinho
Divulgação / Corpo de Bombeiros
Peritos especializados da PF chegaram em Minas Gerais para auxiliar no reconhecimento das vítimas em Brumadinho

Nesta segunda-feira (28), a Defesa Civil atualizou o número de mortes, que subiu para 60. As buscas por sobreviventes, após o rompimento de uma barragem da mineradora Vale, já está no quarto dia seguido de operação contínua do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. 

Ainda segundo a Defesa Civil, até o momento, 192 vítimas foram resgatadas com vida. Por enquanto, ainda há 292 pessoas desaparecidas. Por sua vez, a Vale, mineradora envolvida no caso, divulgou uma nova lista com os nomes de 297 pessoas desaparecidas.

Por enquanto, cerca de 460 pessoas procuraram a polícia em busca de parentes desaparecidos, segundo informações divulgadas pelo chefe da Polícia Civil de Minas Gerais , Wagner Pinto de Souza.

Peritos especializados da Polícia Federal chegaram em Minas Gerais para auxiliar no reconhecimento das vítimas. Pelo mesmo motivo, a Advocacia-Geral da União (AGU) ajuizou uma medida cautelar de urgência para que empresas de telefonia forneçam a relação de assinantes de celulares que estavam conectados nas imediações da Mina do Córrego do Feijão .

Também neste domingo (27), Israel enviou ao Brasil uma tropa de 130 soldados para ajudar nas buscas por vítimas da tragédia. Segundo o presidente Jair Bolsonaro, além dos soldados, estão sendo enviados ao Brasil "16 toneladas de equipamentos destinados a busca de desaparecidos" na tragédia de Brumadinho . Também fazem parte da missão israelense médicos, engenheiros e especialistas.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.