Tamanho do texto

Forças Armadas garantem que grupo que cruzou de volta a fronteira não sofreu agressões e nem ameaças; Temer convocou reunião para discutir crise e prefeito de Pacaraima reconhece ainda haver riscos de atos de violência

Imigrantes venezuelanos se acumulam em Boa Vista em busca de abrigo; Roraima pede socorro da União
Marcelo Camargo/Agência Brasi - 4.5.18
Imigrantes venezuelanos se acumulam em Boa Vista em busca de abrigo; Roraima pede socorro da União

Ao menos 1.200 venezuelanos cruzaram de volta a fronteira com o Brasil após o  ataque a imigrantes promovido por um grupo de moradores do município de Pacaraima, em Roraima, nesse sábado (18). A informação foi divulgada neste domingo (19) pela Operação Acolhida, força-tarefa das Forças Armadas que atua no auxílio aos refugiados que estão no estado.

De acordo com a tenente Josiany Fiedler Vieira, que integra a operação, esses venezuelanos que retornaram ao seu país o fizeram por vontade própria, sem ameaças, e não sofreram novas agressões. A maioria desses imigrantes estava nas imediações do posto de identificação da Polícia Federal em Pacaraima no momento do ataque a venezuelanos ocorrido na tarde de ontem.

Em nota, a força-tarefa das Forças Armadas afirma que foi realizada reunião com organismos internacionais, entidades civis e ONGs para definirem medidas a serem tomadas para evitar novos episódios de violência. Ainda na noite desse sábado, o Ministério das Relações Exteriores venezuelano cobrou do Brasil  garantias à proteção de seus cidadãos.

"As Forças Armadas vão continuar cumprindo sua missão na área de fronteira, tanto em ação humanitária quanto em prevenção e combate a ilícitos transfronteiriços. Trabalham em prol da sociedade brasileira e repudiam atos de vandalismo e violência contra qualquer cidadão, independentemente de sua nacionalidade", diz nota da Operação Acolhida.

Pela manhã, o presidente Michel Temer (MDB) convocou para reunião de governo para discutir a crise agravada pelo ataque ao acampamento em Pacaraima. Foram convidados para o encontro os ministros Raul Jungmann (Segurança Pública), Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional) e Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores). Até o momento, não foram divulgadas informações a respeito dessa discussão no Palácio da Alvorada.

O Ministério da Segurança Pública já confirmou que irá enviar efetivo maior da Força Nacional para Pacaraima, onde as equipes já desenvolvem operação de apoio à Polícia Federal. A previsão é que o reforço chegue já nessa segunda-feira (20) à cidade onde ocorreu o ataque a venezuelanos com o uso de armas, bombas caseiras e o incendiamento de barracas.

O prefeito de Pacaraima, Juliano Torquato, reconheceu em declaração à Agência Brasil que a situação ainda não está controlada e que, segundo sabe, venezuelanos continuam a ser perseguidos até saírem da cidade. Torquato não está em Roraima neste fim de semana.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, também alertou que, se uma ação urgente não for tomada, há riscos de novas tragédias. Ele afirmou que conhece o local e que Roraima não dispõe de condições para receber os cerca de 800 venezuelanos que chegam diariamente ao estado.

"O momento é de atenção, por isso é preciso que haja solidariedade federativa para preservar brasileiros e venezuelanos de um agravamento do difícil quadro em que se encontram", disse Lamachia.

Leia também: Bolsonaro critica ONU por decisão pró-Lula e promete tirar Brasil de conselho

Roraima volta a defender fechamento da fronteira após ataque a venezuelanos

Refugiados venezuelanos foram alvo de agressão em Roraima
Ibama
Refugiados venezuelanos foram alvo de agressão em Roraima

O ataque a venezuelanos em Pacaraima se deu ao fim de uma manifestação contra a presença dos refugiados na cidade. O ato, realizado em frente ao Comando Especial de Fronteira do Exército, foi uma reação dos moradores ao assalto e espancamento de um comerciante, cujos autores supostamente eram quatro venezuelanos.

O governo de Roraima informou, em nota, ter enviado reforços da Polícia Militar para conter os ânimos, bem como profissionais de saúde e medicamentos para suprir as necessidades do hospital de Pacaraima. O texto também afirma ser “preciso que o Exército Brasileiro garanta a ordem” e volta a cobrar o fechamento da fronteira com a Venezuela e uma maior atuação do governo federal para lidar com a crise humanitária.

A Força-Tarefa Logística Humanitária - composta pelas Forças Armadas e integrada por organismos internacionais, organizações não governamentais e entidades civis - divulgou nota em que diz prestar apoio aos atendimentos no hospital local e que “repudia atos de vandalismo e violência contra qualquer cidadão, independentemente de sua nacionalidade”.

Leia também: Mega-sena acumula de novo e prêmio pode chegar a R$ 27 milhões na quarta-feira

*Com redação e reportagem da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.