Tamanho do texto

Poucas horas após a morte de um policial que, fora do serviço, reagiu a assalto, município baiano foi cenário de série de assassinatos à bala; Polícia Militar investiga possível relação entre crimes

O policial Wagner Souza de Araújo, morto em Feira de Santana
Reprodução / TV Bahia
O policial Wagner Souza de Araújo, morto em Feira de Santana

Em um único fim de semana, ao menos 18 pessoas foram mortas a tiros em Feira de Santana, cidade baiana de 500 mil habitantes a cerca de 100 quilômetros de Salvador.

Leia também: Mortes pela polícia no Rio de Janeiro aumentam 46% em maio

O número excede em muito a média do município, que, já alta, é de quatro assassinatos por fins de semana. As circunstâncias das mortes, diz a Polícia Militar, sugere que os crimes podem estar relacionados.

O primeiro dos crimes se deu quando o soldado da PM Wagner Souza de Araújo, de 28 anos, saía de uma festa por volta das 4h30 da manhã de sábado. De acordo com os investigadores, ele então avistou um casal sendo assaltado. Fora do horário de serviço e sem farda, Wagner tentou impedir o crime, no que foi baleado e morto por um dos assaltantes.

Apenas três horas depois, sete pessoas foram assassinadas. Todos eram homens, tinham entre 14 e 35 anos, e foram mortos à bala – e o modo como se deram os crimes, sem assalto ou tempo para reação, aponta para execuções sumárias, “mortes encomendadas”, no jargão investigativo.

Ao decorrer do sábado e do domingo, outros dez homens foram mortos em circunstâncias parecidas. Os corpos foram encontrados em dez bairros de Feira de Santana.

Leia também: Metade dos homicídios em 2016 ocorreu em apenas 2% das cidades brasileiras

A Polícia Militar afirma estar investigando a possível relação entre os assassinatos em Feira de Santana . A corporação disse estar em contato com os familiares dos mortos para buscar um vínculo entre as vítimas.

Violência

Entre as cidades com mais de 100 mil habitantes, as mais violentas do Brasil se concentram nas regiões Norte e Nordeste. Os dados são do Atlas da Violência 2018 – Políticas Públicas e Retratos dos Municípios Brasileiros, do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). 

De acordo com os pesquisadores, os resultados da pesquisa indicam a propagação da criminalidade para cidades menores, processo que vem sendo observado por eles desde meados dos anos 2000.

As quatro cidades seguintes com os maiores índices de assassinatos ficam na Bahia . Com uma taxa de 124,3 homicídios por grupo de 100 mil habitantes em 2016, Eunápolis ocupa o segundo lugar entre as mais violentas. Em seguida vem Simões Filho (107,7 homicídios/100 mil habitantes); Porto Seguro (101,7 homicídios/100 mil habitantes) e Lauro de Freitas, com 99,2 homicídios/100 mil habitantes.

Leia também: Assassinato de Marielle completa três meses: "vamos seguir na luta", diz viúva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.