Tamanho do texto

Desembargador argumentou que é prudente à ordem pública e à ordem administrativa assegurar bases do acordo entre governo e caminhoneiros

Nova tabela chegou a ser anunciada na tarde da última quinta-feira (7), mas foi suspensa para negociações
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 25.5.18
Nova tabela chegou a ser anunciada na tarde da última quinta-feira (7), mas foi suspensa para negociações

O desembargador Cid Marconi Gurgel de Souza, vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 5 ª Região (TRF5), decidiu derrubar a liminar que suspendeu os novos valores mínimos para o frete o rodoviário no país na últimas sexta-feira (8). Na decisão, o desembargador argumentou que é prudente à ordem pública e à ordem administrativa assegurar as bases do acordo entre o governo e os caminhoneiros.

Leia também: Mega-Sena pode pagar até R$ 9,5 milhões no sorteio deste sábado

“Toda a sociedade brasileira tem sido testemunha do processo de negociação em que se envolveu o Poder Executivo desde o início da greve dos caminhoneiros. Pode-se dizer que as liminares proferidas num momento em que as partes ainda buscam um consenso pode interferir neste processo e, pior, inviabilizá-lo, sobretudo se de fato se concretizar o efeito multiplicador referido na inicial”, argumentou Gurgel de Souza sobre a situação do frete .

O desembargador disse ainda que é dever do Poder Executivo buscar a solução de consenso que melhor atenda a todas as partes envolvidas.

Na última quinta-feira (7), o juiz da 8ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, Orlan Donato Rocha, concedeu uma medida liminar para suspender os efeitos da Medida Provisória 832/2018, editada em 27 de maio e que previa uma tabela de preços para o frete rodoviário no país.

Leia também: Confrontos na Faixa de Gaza deixam três palestinos mortos e 618 feridos

A decisão, até então, só era válida para duas empresas que entraram com a ação e que atuam no setor de sal do Rio Grande do Norte. As empresas alegaram que a medida é inconstitucional, por violar princípios como o da livre iniciativa e da livre concorrência, argumento que foi acolhido pelo juiz.

Nova tabela

Independente da decisão da Justiça Federal do Rio Grande do Norte, uma nova tabela chegou a ser anunciada na tarde da última quinta-feira (7), mas foi suspensa horas depois para uma nova rodada de negociações com os caminhoneiros.

Segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), as questões técnicas da tabela "continuarão em discussão na agência e com o setor, a fim de chegar a uma solução que harmonize os interesses de produtores, transportadores e sociedade”.

Leia também: Homem quase morre por picada de cascavel decapitada que injetou todo veneno

A tabela de preços mínimos para o frete é uma das reivindicações dos caminhoneiros acordadas com o governo para colocar fim à paralisação da categoria que ocorreu em maio e que durou dez dias. O movimento resultou em prejuízos em diversos setores da economia e em desabastecimento de combustível, alimentos e de outros produtos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.