Tamanho do texto

Desde domingo, foram registrados 99 episódios sendo 63 de ônibus sendo incendiados em diversos pontos do estado; cidades reforçam o policiamento

Em Passos, três ônibus já foram atacados desde o domingo; criminosos agem em diversos pontos de Minas Gerais
Reprodução/Helder Almeida
Em Passos, três ônibus já foram atacados desde o domingo; criminosos agem em diversos pontos de Minas Gerais

Os moradores de Minas Gerais viveram, nessa quarta-feira (6), mais uma noite de tensão, com ônibus incendiados em diversos pontos do estado. Com os casos registrados ontem, já se acumulam quase 100 ataques do mesmo tipo, desde o último domingo (3).

Ontem a noite, dois veículos foram atacados: um em Uberlândia e outro em Sacramento. Só nessa quarta, quarto dia de violência, nove ônibus e um caminhão foram queimados. Contando esses episódios,  são agora 99 ataques, sendo 63 a ônibus, em 34 cidades de  Minas Gerais

Segundo a Polícia Militar, agentes à paisana têm circulado nos ônibus para tentar evitar novos ataques. Porém, por uma "questão estratégica e operacional" as atividades o desempenho de tais policiais nessa missão não foram divulgados. 

Na última terça-feira (5), o governador Fernando Pimentel (PT) admitiu que as ocorrências foram comandadas por membros de facções criminosas. Ele não chegou a especificar qual seria a facção por trás dos ataques, mas disse que a motivação dos criminosos seria o endurecimento das regras nos presídios do estado. 

Leia também: Pimentel diz que ataques em MG partiram de crime organizado

De acordo com a Ordem dos Advogados do estado (OAB- MG ), tais ataques são relacionados aos ocorridos no Rio Grande do Norte no último fim de semana. A entidade disse ainda que a ação dos criminosos é facilitada pela falta de bloqueadores nas unidades prisionais mineiras.

Reação policial aos ataques em Minas Gerais

Até agora, mais de 40 pessoas foram detidas por suposto envolvimento nos ataques. O coronel da PM, Helbert Figueiró de Lourdes, disse na terça-feira que a corporação já traçou um plano para conter os incêndios. 

“Para a gente estancar esse processo em Minas é preciso construção de uma inteligência eficiente, a coleta de dados de todas as pessoas presas para que a gente consiga chegar aí às células dessas organizações criminosas”, detalhou.

Além de espalhar policiais à paisana nos ônibus municipais, é cogitada ainda a possibilidade de transferir presos perigosos para outros estados.

“Há possibilidade da gente, junto com o governo federal, porque existem presos que não são especificamente de  Minas Gerais , que podem ser transferidos para o sistema federal”, cogitou o coronel.

Leia também: Sete pessoas foram presas por crime eleitoral durante eleição no Tocantins

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.