Em Passos, três ônibus já foram atacados desde o domingo; criminosos agem em diversos pontos de Minas Gerais
Reprodução/Helder Almeida
Em Passos, três ônibus já foram atacados desde o domingo; criminosos agem em diversos pontos de Minas Gerais

Os moradores de Minas Gerais viveram, nessa quarta-feira (6), mais uma noite de tensão, com ônibus incendiados em diversos pontos do estado. Com os casos registrados ontem, já se acumulam quase 100 ataques do mesmo tipo, desde o último domingo (3).

Ontem a noite, dois veículos foram atacados: um em Uberlândia e outro em Sacramento. Só nessa quarta, quarto dia de violência, nove ônibus e um caminhão foram queimados. Contando esses episódios,  são agora 99 ataques, sendo 63 a ônibus, em 34 cidades de  Minas Gerais

Segundo a Polícia Militar, agentes à paisana têm circulado nos ônibus para tentar evitar novos ataques. Porém, por uma "questão estratégica e operacional" as atividades o desempenho de tais policiais nessa missão não foram divulgados. 

Na última terça-feira (5), o governador Fernando Pimentel (PT) admitiu que as ocorrências foram comandadas por membros de facções criminosas. Ele não chegou a especificar qual seria a facção por trás dos ataques, mas disse que a motivação dos criminosos seria o endurecimento das regras nos presídios do estado. 

Leia também: Pimentel diz que ataques em MG partiram de crime organizado

De acordo com a Ordem dos Advogados do estado (OAB- MG ), tais ataques são relacionados aos ocorridos no Rio Grande do Norte no último fim de semana. A entidade disse ainda que a ação dos criminosos é facilitada pela falta de bloqueadores nas unidades prisionais mineiras.

Você viu?

Reação policial aos ataques em Minas Gerais

Até agora, mais de 40 pessoas foram detidas por suposto envolvimento nos ataques. O coronel da PM, Helbert Figueiró de Lourdes, disse na terça-feira que a corporação já traçou um plano para conter os incêndios. 

“Para a gente estancar esse processo em Minas é preciso construção de uma inteligência eficiente, a coleta de dados de todas as pessoas presas para que a gente consiga chegar aí às células dessas organizações criminosas”, detalhou.

Além de espalhar policiais à paisana nos ônibus municipais, é cogitada ainda a possibilidade de transferir presos perigosos para outros estados.

“Há possibilidade da gente, junto com o governo federal, porque existem presos que não são especificamente de  Minas Gerais , que podem ser transferidos para o sistema federal”, cogitou o coronel.

Leia também: Sete pessoas foram presas por crime eleitoral durante eleição no Tocantins

* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários