Tamanho do texto

Apesar do governo ter cedido e a categoria ter afirmado que a greve seria suspensa por 15 dias, nenhuma desmobilização foi registrada e caos continua

Greve dos caminhoneiros leva a protesto contra elevação no preço do diesel na rodovia BR-040, em Duque de Caxias
Fernando Frazão/Agência Brasil
Greve dos caminhoneiros leva a protesto contra elevação no preço do diesel na rodovia BR-040, em Duque de Caxias

Embora o governo federal e os líderes de associações de caminhoneiros tenham chegado, na noite dessa quinta-feira (25), a um acordo para suspender temporariamente os protestos e os bloqueios nas estradas , a greve dos caminhoneiros não tem previsão de, efetivamente, acabar. Isso porque muitos membros da categoria afirmam que não se sentem representados por tais líderes que negociaram com o governo Temer. 

Com isso, a greve dos caminhoneiros chega ao seu quinto dia, nesta sexta-feira (25). Portanto, além das manifestações, que continuam acontecendo em diversos pontos do País, as consequências da paralisação da categoria, com o comprometimento do abastecimento de diversos setores da economia brasileira, seguem gerando caos em todo o Brasil.

Pela manhã, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou à imprensa que não havia registrado, até perto das 8h, nenhuma desmobilização. O fim da greve também pareceu distante para quem teve que acordar cedo e trafegar pelas vias comprometidas em todo o País.

Na Régis Bitencourt, em São Paulo, carretas e caminhões permanecem estacionados ao longo da rodovia. O mesmo ocorre em rodovias no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, estado que apresenta 74 pontos de manifestação. No Distrito Federal, a PRF registra manifestação de caminhoneiros na BR-020, BR-060, BR-070 e BR-080.

Leia também: Carrefour limita venda de produtos a cinco unidades para evitar desabastecimento

Em Brasília, durante toda a madrugada e no começo desta manhã, motoristas faziam filas para abastecer seus carros nos postos que mantêm estoques de gasolina e diesel. A mesma cena foi vista em postos de todo o Brasil.

Acordo não garante fim da greve dos caminhoneiros, mas é um passo

Na noite de ontem, o governo e os que se dizem representantes dos caminhoneiros decidiram que a paralisação seria suspensa por 15 dias. Em troca, a Petrobras tem o compromisso de manter a redução de 10% no valor do diesel nas refinarias por 30 dias, enquanto o governo costura outras formas de reduzir os preços do combustível.

Na última quarta-feira (23), o presidente da Petrobras, Pedro Parente, tinha mantido o compromisso de custear os primeiros 15 dias de desconto. Mas ontem o governo federal se comprometeu a custear mais 15, com o dinheiro da União. Com isso, são estimados, no total, R$ 350 milhões de desconto no combustível.

Além disso, o governo prometeu uma previsibilidade mensal nos preços do diesel até o fim do ano, sem mexer na política de reajustes da Petrobras, e disse ainda que vai subsidiar a diferença do preço em relação aos valores estipulados pela estatal a cada mês.

“Nos momentos em que o preço do diesel na refinaria cair e ficar abaixo do fixado, a Petrobras passa a ter um crédito que vai reduzindo o custo do Tesouro”, disse o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

Por fim, o governo Temer também se comprometeu a zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para o diesel até o fim do ano. Também negociará com os estados, buscando o fim da cobrança de pedágio para caminhões que trafegam vazios, com eixo suspenso.

“Chegou a hora de olhar para as pessoas que estão sem alimentos ou medicamentos. O Brasil é um país rodoviário. A família brasileira depende do transporte rodoviário. Celebramos esse acordo, correspondendo a essas solicitações, dizendo humildemente aos caminhoneiros: precisamos de vocês”, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

A decisão de suspender a paralisação, porém, não é unânime. Das 11 entidades do setor de transporte, em sua maioria caminhoneiros, que participaram do encontro, uma delas, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que representa 700 mil trabalhadores, recusou a proposta.

Leia também: Postos vendem gasolina por até R$ 2,10 em protesto contra impostos altos

O presidente da associação, José Fonseca Lopes, deixou a reunião no meio da tarde e disse que seguirá com a greve dos caminhoneiros . “Todo mundo acatou a posição que pediram, mas eu não. [...] vim resolver o problema do PIS, da Cofins e da Cide, que está embutido no preço do combustível”, afirmou Lopes.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.