Tamanho do texto

Ex-presidiários foram acusados de apresentar atestado ideologicamente falso para progressão de pena; ex-assessor da 2ª Vara Criminal é investigado por ao menos dez desvios de dinheiro destinado a pagamento de uma perita

Marcelo Vip ganhou notoriedade nacional ao se passar por um dos cofundadores da companhia de linhas aéreas Gol
Reprodução/ TV Centro América
Marcelo Vip ganhou notoriedade nacional ao se passar por um dos cofundadores da companhia de linhas aéreas Gol

Um dos maiores estelionatários do Brasil, Marcelo Nascimento da Rocha, conhecido por “Marcelo Vip”, foi preso novamente nesta quarta-feira (25) acusado de apresentar atestado ideologicamente falso para progressão de pena. Além dele, o ex-presidiário Márcio Batista da Silva, o Dinho Porquinho e o ex-assessor da 2ª Vara Criminal Pitágoras Pinto de Arruda também foram presos na Operação Regressus.

Leia também: Promotoria pede liberdade para 138 dos 159 presos em festa da milícia do Rio

Segundo a Polícia Civil do Mato Grosso, há suspeita de que os ex-presidiários Marcelo Vip e Dinho Porquinho tenham se aproveitado de atestados duvidosos e também apresentado declarações de trabalho em empresas que não tiveram os endereços localizados fisicamente, podendo ser de fachada.

Marcelo deixou a Penitenciária Central do Estado (PCE), em março de 2014, após conseguir a progressão para o regime semiaberto e foi beneficiado com a prisão domiciliar, depois de comprovar que tinha trabalho. Ele tem condenação de mais de 34 anos.

Os dois ex-presidiários,  notoriamente apontados como regenerados das práticas criminosas, vivem atualmente de atividades como palestras e promoção de eventos. Marcelo tem três empresas em seu nome, e se apresenta como promotor de eventos.

De acordo com as investigações, uma das fraudes detectadas foi remição por estudo. Havia suspeita de que as escolas estavam emitindo atestados ideologicamente falsos, pois em alguns constavam 4.400 horas, correspondendo há quase 1 ano de pena remida. Em 100 processos analisados foram constatados que 34 apresentavam atestados com provável suspeita de falsidade ideológica.

Leia também: Nova operação da PF em São Paulo combate desvio de créditos tributários

Já o ex-assessor da 2ª Vara Criminal é investigado por ao menos dez desvios de dinheiro destinado a pagamento de uma perita nomeada, para realização de exames criminológicos de presos com direito a progressão de regime.

Além dos três mandados de prisão, a Operação Regressus cumpre ainda dezenove ordens de busca e apreensão nas cidades de Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis e Rio de Janeiro.

História de cinema

Márcio Batista da Silva, o Dinho Porquinho, que era monitorado por tornozeleira eletrônica, tem cinco guias de execução penal, que somadas dão 44 anos e 8 meses, nos crimes de tráfico de drogas, homicídio, associação criminosa, lavagem de dinheiro, homicídios, entre outros. Ele é um conhecido traficante do Rio de Janeiro, que já ficou preso no Estado de Pernambuco até outubro de 2014, obtendo autorização para vir morar em Mato Grosso.

Leia também: PF prende dez suspeitos por esquema que causou prejuízo de R$ 60 milhões ao INSS

Já Marcelo tem condenações por associação ao tráfico de drogas, roubo de aeronave, estelionato, falsidade ideológica e já foi preso em 12 estados brasileiros, da qual fugiu de nove. Sua vida já inspirou o filme “VIPs”, em 2011.

Marcelo Vip ganhou notoriedade nacional ao se passar por um dos cofundadores da companhia de linhas aéreas Gol e também já se passou por guitarrista do Engenheiros do Hawai.