Tamanho do texto

Essa é a segunda fase da operação Manigância, deflagrada em março; seis mandados de prisão estão sendo cumpridos na manhã desta quarta-feira (25); órgão estima que desvios podem chegar a mais de R$ 300 milhões

Polícia Federal deflagra nova operação contra fraudes no comércio de créditos tributários em São Paulo
Rovena Rosa/Agência Brasil
Polícia Federal deflagra nova operação contra fraudes no comércio de créditos tributários em São Paulo

Uma operação da Polícia Federal está sendo deflagrada na manhã desta quarta-feira (25) em São Paulo. Essa é a nova fase da Operação Manigância, que teve início no dia 22 de março , e combate o desvio e comércio de créditos tributários da União. Segundo a polícia, os desvios podem ter somado mais de R$ 300 milhões.

Estão sendo cumpridos cinco mandados de prisão preventiva por desvios de créditos tributários , um de prisão temporária e cinco mandados de busca e apreensão, expedidos pela 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo. As buscas e prisões ocorrem nas cidades de São Paulo e Bragança Paulista, no interior do estado.

Até o momento, segundo a PF informa que foram presos um falso fiscal na cidade de Bragança Paulista e sua esposa, uma analista tributária da Receita Federal, além de empresários responsáveis por vender os créditos tributários que eram desviados pela analista.

Nessa nova etapa, a polícia quer "desarticular, em definitivo, o grupo criminoso que desviava e comercializava créditos tributários da União". O crédito tributário se trata do direito que o governo - seja a União, Estados, DF ou municípios - tem de cobrar e receber tributos devidos pelas pessoas físicas ou jurídicas. Esses tributos podem ser impostos, taxas e contribuições de melhoria e crédito tributário analisa a veracidade das operações lançadas pelo contribuinte.

Leia também: PF prende dez suspeitos por esquema que causou prejuízo de R$ 60 milhões ao INSS

Início

A investigação começou em dezembro de 2016, quando a Receita Federal comunicou à PF sobre possíveis crimes cometidos por uma servidora do órgão. A investigação procurava apurar a prática de corrupção passiva e inserção falsa de dados em sistema de informação oficial por parte de uma analista tributária da Receita, que modificava a titularidade de créditos legítimos em benefício de outras empresas.

Em março, a polícia prendeu temporariamente a servidora e três sócios das empresas de consultoria que intermediavam o repasse dos créditos, além de ter cumprido 14 mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Bragança Paulista e Florianópolis.

De acordo com a Polícia Federal, no esquema os créditos lícitos de grandes contribuintes eram selecionados e desviados em favor de empresas intermediárias que eram geridas pelos criminosos. Com a captação de possíveis interessados, os créditos eram então vendidos e transferidos aos beneficiários finais por meio de pedido eletrônico de compensação e restituição.

Os presos vão responder pelos crimes de associação criminosa, corrupção passiva, inserção de dados falsos em sistemas de informações e estelionato.

Leia também: PF aponta custo de R$ 150 mil com prisão de Lula e pede transferência do petista

*Com informações da Agência Brasil