Tamanho do texto

Crimes ocorreram na noite desta quinta-feira (29), e prefeitura afirmou em nota que "a cidade pede socorro”, após lamentar o assassinato de ambos

Secretário municipal de Defesa Civil e Ordem Urbana de Belford Roxo, no Rio de Janeiro, e professora foram mortos
Divulgação
Secretário municipal de Defesa Civil e Ordem Urbana de Belford Roxo, no Rio de Janeiro, e professora foram mortos

Marcos Wander Silva de Oliveira, secretário municipal de Defesa Civil e Ordem Urbana de Belford Roxo , no Rio de Janeiro, e uma professora municipal foram mortos na noite desta quinta-feira (29).

Leia também: Promotoria do RJ denuncia traficantes por assassinatos de pessoas ligadas a PMs

O secretário tinha 42 anos, também era policial militar aposentado do Rio de Janeiro e estava em seu carro quando foi abordado por homens armados. A polícia trabalha com a hipótese de que ele foi morto ao ser abordado por assaltantes ao ser reconhecido como policial militar reformado.

Policiais do Batalhão de Belford Roxo (39º BPM) foram acionados e chegaram a levar a vítima para o Hospital da Posse, em Nova Iguaçu, mas ele já chegou morto ao local. Marcos estava no cargo de secretário desde dezembro do ano passado.

Ele é a segunda pessoa em cargo político no estado a ser assassinada desde o início da intervenção federal na segurança do Rio, há um mês e meio. No dia 14 de março, a vereadora Marielle Franco (PSOL) foi morta também dentro de seu carro, com vários tiros.  A hipótese mais provável é que Marielle tenha sido executada.

De acordo com o Disque Denúncia, Marcos também é o 33º policial agente de segurança assassinado no estado neste ano. O crime está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).

Professora também é morta no Rio de Janeiro

Ainda em Belford Roxo e na mesma noite, a professora Tânia da Silva, diretora da Escola Municipal Jorge Ayres de Lima, foi assassinada quando saía do colégio depois de uma festa em comemoração à Páscoa.

Segundo a prefeitura de Belford Roxo, Tânia foi vítima de um arrastão de bandidos, no bairro Três Setas e alvejada na cabeça. Ela era professora da rede municipal desde 95. Na nota, a prefeitura diz lamentar “tanta violência” no município. “Que Deus conforte essas famílias Estamos assustados. A cidade pede socorro”.

Leia também: Forças Armadas e polícias deslocam cerca de 4 mil homens para operação no Rio

"A prefeitura tem que se solidarizar e também tratar de conseguir mais apoio para a segurança em nosso município, Belford Roxo está às traças, temos medo de sair de casa pra trabalhar, quando finalmente retornamos sobrevivendo a mais um dia, é tiroteio intenso constantemente. Pessoas são impedidas de voltar pra própria casa, vidas ceifadas em assaltos, ou por bala perdida, etc.", escreveu uma moradora do município na página do Facebook da prefeitura.

"Belford Roxo pede socorro, Belford Roxo pede paz, queremos viver com dignidade", completa a usuária da rede social sobre a onda de violência que toma conta da cidade e também do Estado do Rio de Janeiro .