Tamanho do texto

Imagens foram compartilhadas pelo whatsapp entre os moradores de Porteirinha, no norte de Minas

Ainda não se sabe se foi o próprio padre quem gravou o vídeo ou quem o divulgou inicialmente
Reprodução / YouTube
Ainda não se sabe se foi o próprio padre quem gravou o vídeo ou quem o divulgou inicialmente

Um caso inusitado tem agitado a pequena cidade de Porteirinha, no norte de Minas Gerais. Um vídeo em que um padre aparece deitado em uma cama de casal vestindo apenas cuecas vermelhas circulou pelas redes sociais entre os moradores da cidade, o que levou a arquidiocese da região a suspender por tempo indeterminado o padre de suas funções.

Leia também: Justiça Eleitoral ordena retirada imediata de outdoor em apoio a Bolsonaro no Espírito Santo

Ainda não se sabe se foi o próprio padre quem gravou o vídeo ou quem o divulgou inicialmente. Dom Ricardo Guerrino Brusati, responsável pela diocese de Janaúba , que afastou o padre, comentou o caso. Para ele, a história representa “um sofrimento para a Igreja” e “uma tempestade” para a diocese.

O vídeo, com duração de 14 segundos, circulou entre os moradores da cidade em grupos de whataspp. Segundo moradores que não quiseram se identificar, “não se fala de outra coisa” na cidade.

Leia também: Menina com deficiência é queimada viva em retaliação à fuga de irmão com garota

O bispo também lamentou que a resolução do caso, com o afastamento do padre, tenha extravasado os portões da diocese. Isso porque o decreto de suspensão, documento interno da igreja, também vazou na internet e foi compartilhado no whatsapp pelos moradores de cidade.

No documento, assinado pelo padre, que já foi notificado, o bispo escreve que as imagens vão em direção contrária ao “testemunho da vida sacerdotal”. O bispo também lamentou o interesse da imprensa por “notícias ruins” que “não ajudam ninguém”.

Porteirinha tem 38 mil habitantes – destes, mais de 30 mil são católicos, de acordo com estatísticas do IBGE. Dom Ricardo Brusati lembrou que o padre flagrado não deixou de pertencer à Igreja, e poderá voltar às suas funções caso prove estar apto para tanto. Antes, ele deverá receber apoio espiritual e psicológico da igreja; até lá, está proibido pelo direito canônico de celebrar missas e sacramentos.

Leia também: Casal é preso por manter 13 filhos em cativeiro durante anos nos Estados Unidos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.