Tamanho do texto

Segundo a PF, 47 candidatos se beneficiaram de escutas telefônicas durante provas; foram cumpridos dois mandados de prisão temporária nesta segunda

Segundo as investigações, candidatos se beneficiaram em concursos públicos por meio de escutas telefônicas
Shutterstock/Divulgação
Segundo as investigações, candidatos se beneficiaram em concursos públicos por meio de escutas telefônicas

Após a deflagração da Operação Afronta II, a Polícia Federal descobriu fraudes em 14 concursos públicos nacionais aplicados pela Fundação Carlos Chagas. De acordo com a força-tarefa, 47 candidatos se beneficiaram de escutas eletrônicas no momento de realizar as provas. De acordo com a PF, alguns desses candidatos já foram habilitados e empossados nos cargos para os quais concorreram.

Leia também: Jovem que divulgou 'nudes' de colega terá de prestar serviços comunitários

Nesta segunda-feira (18), foram cumpridos pela Polícia Federal dois mandados de prisão temporária, quatro de condução coercitiva e dez de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em São Paulo, nas cidades de Campinas (SP) e Maceió (AL). Os demais candidatos que participaram dos concursos públicos foram intimados para prestar esclarecimentos.

Em outubro do ano passado, a PF deflagrou a primeira etapa da operação, em Sorocaba (SP), para apurar uma fraude no concurso do Tribunal Regional Federal da 3ª Região para os cargos de técnico e analista judiciário.

Leia também: Justiça autoriza transfusão de sangue em paciente testemunha de Jeová no ES

Na ocasião, foram indiciados nove membros da organização criminosa: o líder do grupo, o técnico responsável pelos equipamentos eletrônicos, quatro pessoas que desviavam as provas, e três que corrigiam as questões desviadas. Foram indiciados ainda doze candidatos que receberam as questões por meio de equipamentos de ponto eletrônico, e duas pessoas que também tiveram participação na fraude, embora não fossem membros da organização.

Informações complementares

A Polícia Federal solicitou à Fundação Carlos Chagas informações em relação a outros certames que os indivíduos responsáveis por desviar as provas haviam se inscrito. Pediu ainda que a fundação fornecesse os gabaritos de respostas de todos os candidatos destes concursos suspeitos.

Os gabaritos foram então encaminhados à perícia, que constatou que a fraude havia sido consumada em 14 certames e que 47 candidatos haviam participado do crime. O sistema também encontrou indícios de cópia de respostas entre candidatos, comumente conhecida como “cola”, em outros 24 certames.

Leia também: Ex-diretor da Educação é preso por suspeita de fraudes em licitações no Paraná

Os candidatos envolvidos nas fraudes em concursos públicos serão indiciados pelo crime de fraudes em certames de interesse público, cuja pena varia de um a quatro anos de reclusão, e pelo crime de associação criminosa, cuja pena varia de um a três anos de reclusão. A Fundação Carlos Chagas foi procurada, mas ainda não se manifestou.


* Com informações da Agência Brasil