Tamanho do texto

Presidente participou de reunião no Comando Militar do Leste, na capital fluminense; segundo ele, índices de criminalidade já registraram queda

O presidente Michel Temer disse neste domingo (30) que os primeiros dias das ações integradas da Operação Segurança e Paz na região metropolitana do Rio de Janeiro já registraram queda nos índices de criminalidade, em especial de roubos de cargas. Segundo ele, a informação foi repassada durante a reunião da qual participou na sala de comando integrado no prédio do Comando Militar do Leste (CML), na capital fluminense.

Leia também: Itamaraty alerta sobre violência na Venezuela e pede suspensão de Constituinte

Temer apontou ainda para a possibilidade de renovação do decreto que autorizou a operação de garantia da lei e da ordem no Rio. "No meu decreto, que assinei na sexta-feira, eu fixei, em razão do ano fiscal, que esta operação se dará até 31 de dezembro de 2017, mas nada impedirá que, no começo do ano, nós renovemos esse decreto, para fazê-lo vigorar até o final de 2018", disse.

Segundo Michel Temer, atuação das Forças Armadas no Rio de Janeiro poderá ser renovada até dezembro de 2018
Alan Santos/PR - 30.7.17
Segundo Michel Temer, atuação das Forças Armadas no Rio de Janeiro poderá ser renovada até dezembro de 2018

Leia também: Em resposta aos EUA, Putin ordena saída de 755 diplomatas americanos da Rússia

A Operação no Rio deverá ter várias etapas. Após terminar a primeira, que prevê o reconhecimento e a ambientação das Forças Armadas, seguirá com foco no combate às organizações criminosas e ao tráfico de armas. O presidente disse que, na reunião, o general de Exército Walter Souza Braga Netto, comandante do CML, apresentou um balanço das ações integradas das forças de segurança federais e estaduais.

"Recebi um relato muito circunstanciado, pormenorizado, do que está sendo feito, e a primeira conclusão que se teve é que já diminuiu, nestes dois, três dias, o índice de criminalidade", contou, sem revelar números. Temer destacou como diferença do modelo que está sendo adotado a opção de deixar de ter ocupações durante um período, ao contrário de outras ocasiões.

Leia também: 'Não interessa aos políticos o combate à corrupção', afirma Sérgio Moro

Ao lado de Temer na reunião no CML estavam os ministros da Defesa, Raul Jungmann; da Fazenda, Henrique Meirelles; da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim; e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco; além do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e do prefeito do Rio, Marcello Crivella, que, durante a reunião na sala de comando, colocou a Guarda Municipal à disposição da operação.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.