Tamanho do texto

Policiais cumprem sete mandados judiciais em três estados para desarticular esquema; facção já matou dois agentes e planejava outros dois assassinatos

Líderes do PCC de Natal foram transferidos para penitenciária federal após rebelião na Penitenciária de Alcaçuz
PC/ASSECOM - 31.1.17
Líderes do PCC de Natal foram transferidos para penitenciária federal após rebelião na Penitenciária de Alcaçuz

A Policia Federal deflagrou operação nesta quarta-feira (19) para prender integrantes da facção criminosa PCC que planejavam assassinar agentes penitenciários. Cerca de 30 policiais estão nas ruas para cumprir oito mandados de busca e apreensão, cinco mandados de prisão preventiva e um mandado de condução em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Norte.

Leia também: Justiça não acha autores de processos e governo poderá 'herdar' R$ 1,9 bilhão

A operação, batizada de Força e União, visa desarticular esquema arquitetado, de dentro da cadeia, por integrantes do PCC . Segundo a PF, os criminosos planejavam matar carcereiros em resposta à aplicação a alguns internos de regime disciplinar mais rígido – legalmente imposto dentro das Penitenciárias Federais. Os detentos classificam o regime diferenciado como "opressão".

A investida da PF nesta manhã decorre de investigações sobre a morte de dois  agentes penitenciários do sistema prisional federal nas cidades de Cascavel (PR) e Mossoró (RN). Os assassinatos ocorreram num período de menos de um ano e foram orquestrados pelo Primeiro Comando da Capital.

Leia também: Rocam salva vítima de sequestro e recupera carga roubada

Investigações

A apuração do homicídio de um desses agentes apontou que a facção criminosa tinha planos de executar dois agentes públicos por unidade prisional.

Já em relação à morte do outro agente, as investigações apontaram que o assassinato foi planejado há dois anos na cidade de São Paulo. Integrantes da facção criminosa fizeram a coleta de dados sobre a vítima antes de partir para a ação, num levantamento que contou com a participação de pessoas próximas ao agente assassinado.

As investigações demonstraram, também, que "não há pessoalidade nas ações do PCC", que escolhe seus alvos em razão das informações e de uma maior vulnerabilidade com o fim de se executar um plano preciso e sem deixar indícios de autoria.

Leia também: Acumulada há quase um mês, Mega-Sena pode pagar R$ 68 milhões nesta quarta-feira